“Jardim Urgente” é destaque em “Tá no ar: a TV na TV” ao criticar comportamento policialesco

“(…) o ridículo é a tragédia sem grandeza.” Mario Quintana

Jardim-Urgente-Humor

Welder Rodrigues é um capítulo à parte na composição do personagem Jorge, o apresentador do programa “Jardim Urgente”, mais um dentre os quadros de “Tá no ar: a TV na TV” que parodiam a mídia brasileira. Merece destaque, não apenas por imitar todos os cacoetes, os exageros e as esquizofrenias, como pela alta crítica que carrega em cada gesto, seja milimétrico ou expansivo. Um dos momentos auge é a transição da pretensa indignação com a “bandidagem” para a hora do merchandising, em que é preciso “falar de coisa boa”.

Ponto que indica o quanto tudo não passa de atuação, não neste humorístico em especial, mas no original. É óbvia e hilária a alusão a José Luís Datena, certamente o principal nome do gênero que incita e estimula o comportamento policialesco, e a seus repórteres. A sacada de ambientar os “crimes” em maternais e creches, onde os “infratores” são “menores”, e alguns até bebês também é de rara inspiração.