Um único lance de dados

“Poesia é um jogo onde o perdedor ganha tudo.” Jean-Luc Godard

Pintura revela genialidade de Pablo Picasso

Exijo um honrado fim. Mas ele não vem, ele não vem, ele não vem… Somente os três pontinhos, pontilhados, como farelos de polvilho… Exijo um honrado fim. Sim, exijo. Como o Rei, exijo uma roupa nova… E me vestiram nu, e debocharam da inteligência humana… Sou o Rei… Na roupa espetaculosa… A desfilar nas folhas deste livro… Inacabado… Espero os aplausos, que me recebam de braços erguidos, flores, em trapos… Gritem, urrem, se joguem na lama… Ergam vivas e salves… Admirem-me a elegância e o fluir das linhas a costurar a roupa desse Rei pelado… Sobre as palavras desrespeitarem… Ah, sobre as palavras desrespeitarem…

A Noite Da Revolta

“se eu estiver em fugas e
uma língua de vulcão
extrair de meus ossos
minhas carnes eu vos rogo
jamais preencham minha
carcaça com gesso ou com
outras substâncias
moldáveis

Jamais, vos suplico
aprisionem meu medo
num rosto apavorado de
estátua.” Simone Teodoro

"Ronda Noturna", obra de Rembrandt

A senhora é um buldogue. Ora morde: outra ladra. Tem aromas clandestinos da planta de almíscar. O enxoval bravio da seriema grávida. Pisa nas superfícies traiçoeiras, móveis e crepitantes. Os jeans amortalhados brilham pela agulha que lhes fere o âmago. Flores de plástico sobem ao alto por ventiladores que destinam voo aos incapazes. A falta de pano para a calça resolve-se com o excesso da saia. Inexistem asas e os papelões debatem-se: os instrumentos de madeira velha, as poesias de palavra reciclada, as agonias de antigas almas, as esperanças de verde lápis, as mentiras de quem diz a verdade. As novas e as idosas, as de cabelos brancos e as de ainda ralos, os desdentados por motivos vários. Tremulam como as bandeiras das ruínas gregas. Uma overdose de açúcar, um decomposto estado, um vazio existencial, um corpo, um cosmos: a Via Láctea. Mais do que é possível dar: entorna o leite, derruba o líquido. Apesar das desavenças, leve senhora.

O Susto do Fantasma

“Há noite? Há vida? Há vozes?
Que espanto nos consome,
de repente, mirando-nos?
(Alma, como é teu nome?)” Cecília Meireles

thirst-1886

Urros de dentro colocam uma questão de desordem. Quanto de distorção há na percepção da história? Quando escapole o último degrau da escada, o silêncio instaura. A dúvida se sempre houve o silêncio ou se em algum momento urros partiram não do peito, mas de rostos grosseiros e machucados a agora olharem. Uma mulher magoada por traições do marido. Duas crianças brincam, correm, seguram o coração no palito. O sabor amargo, já a enganadora superfície: vermelha: doce. Melhor uma ilusão à verdade e o desastre. Como se pode ocorrer vez ou outra um esboço de lucidez, um borrão, um ensaio. Apesar da intenção de respeito, o cenário endiabrado.

Patuscada e carnaval dançam o enredo sobre mesas cuidadosamente recortadas por toalhas brancas e copos de plástico. Ainda há de se ver ali uma suntuosa e provocativa caixa de salgados. Como há de se ver sobre o manto de Santa Maria – amarelo, trapo, no correr dos anos – um novo, desta feita azul, a encobrir o verde – já se vê bege – na paisagem de pasto, eucalipto e fuligem em abundância. Então há de se vê-la pela última vez e todo seu atrevimento: de se enfiar feito rato na ratoeira: e sair com o pescoço intacto: ainda com o queijo entre as garrinhas espertas: o queijo que ela procura naquela terra: já tão amarelada, difícil de identificar: justamente pela cor, a mesma: claro, existem tonalidades de amarelo: assim a ironia é uma tonalidade: um jeito de dizer as mesmas ofensas entre amantes: sem o carinho de antes: restando apenas o desejo mórbido do ser humano em ferir e machucar-se vez ou outra se regozijando com o sofrimento alheio.

A Porta de Todos os Mistérios

“Se as portas da percepção forem abertas, as coisas surgirão como realmente são, infinitas…” William Blake

marc-chagall

Trancada a porta. Gira a maçaneta uma, duas, três, quatro, cinco, incontáveis vezes, inutilmente. Todo o esforço de bíceps e tríceps comprimidos, avermelhados, músculos estouram. Suores chegam a formar pastosas babas de vacas ou dragões da Indonésia, o peso do volume embarga como náusea, ânsia de vômito. Olho caminha ao buraco da fechadura. Pálpebras apertam, depois afrouxam. Cílios caem como gotículas de neve na tempestade. Sobrancelhas reagem pelo barulho imediato. Teto, paredes e piso impõem a posição covarde. Ouve-se do outro lado. O amplo vazio da visão preenchido por solas de sapato no assoalho, talvez tamancos, arrisca o salto.

A esperança é uma abertura constituída de cabeça e tronco, porém agoniza: à falta de auxílio. Não há o manejo dos braços, o aconchego das mãos, o toque dos dedos, o equilíbrio das pernas, a firmeza dos pés, o fraco do calcanhar, nada se estende. O rosto opaco, lustroso e calvo. A nulidade dos membros. Veludo azul encobre a luz. A massa abarca órgãos vitais intermitentes. Respirar, bater, respirar, bater, respirar, bater, respirar. Sopra o tecido, a secura da boca cravada de fendas a oscilar, para cima e para baixo, e cor pálida, um leve esmorecer, pois permanece tapando a paisagem. Veludo grosso, escuro, ondula e mantém-se firme. Amar é do coração como trancar pertence às portas. A esperança uma abertura, uma porta escura, um coração. E está moldada às chaves.

Lenda do norte de Minas

“mas o reino da fantasia, assim como o da realidade evidente, pertence às bruxas.” Reinaldo Arenas

colosso-goya

Opulento, rústico, forte, grosseiro, mas afável. Adula o gesso da forma e não encontra meios para conter o ronco do motor. Faltam-lhe modos. De certo, faltam-lhe modos. Sem mover um músculo da face, herança e álibi dos escravos, Francisco desfia a mais interessante renda do céu de Santa Maria:

“– Numa noite silenciosa e larga, um menino saiu pelado pelas ruas da cidade gritando que tinha visto o diabo. As carolas ficaram rubras e desconjuraram o rapaz que antes era menino, mas agora que viam suas vergonhas eretas e hereges ele se transformara no mal e na moral (ou na falta dela) exposta e perturbadora. Mesmo com a revolta de todos contra ele, o menino pelado prosseguiu gritando que o diabo estava ali, à sua frente, rendendo a gôndola do mar invisível de Santa Maria, como roíam os ratos a terra amarela que ali se tinha. O padre foi o primeiro a ser chamado para contê-lo e usou de suas febres crentes:

História do suicídio de uma anja sem motivo aparente

“Arcanjo domesticado
em pleno gesto das doze,
de plumas e rouxinóis
finge uma cólera doce.” García Lorca

the-concert-1957

Não havia motivo aparente. A carta era apenas um ponto final. Com o canivete escrevera as duas histórias: a da morte e a da despedida. Uma cravara na carne, a outra num papel qualquer. Quando a encontraram a sua imagem era de transparência. Uma ausência que só a morte concede. Não havia mais os traços de turbulência em sua face, a rubra coloração, que lhe garantia perante os outros uma extrema vitalidade, agora descansava. Tudo era repouso e silêncio. Como se finalmente estivesse integrada ao mundo perante a sua inexistência aos olhos humanos. Os seios que sempre foram a marca de sua inquietude, pois a representavam tanto para si quanto para os outros, esbaforidos e impacientes como pombas que desejavam escapar de uma gaiola, eram agora uma sombra condensada ao corpo, parado, imóvel, sem guardar mais nenhum desejo nem nenhuma aflição.

A turbulência restava na carta. Apenas um ponto final. Ela que em toda vida particularizara-se por hipérboles e redundâncias despedira-se sem nenhum eufemismo, com uma plena concordância. Restava para os outros adivinhar, ou aceitar com resignação a falta de sentido ou profundidade como fazem os bois e as vacas, e todos os animais que sob o comando de Noé escaparam numa arca do dilúvio e da tempestade. Não havia motivo nenhum. Os desejos e as aflições eram os mesmos de seus semelhantes, que continuavam com os olhos abertos, os seios pulando, a coloração rubra da pele, os sexos em riste e se abrindo, e ignoravam que para se integrar ao mundo era necessário que a morte os aplainasse com sua quietude, a imobilidade do sono. Havia uma criança que não saía da frente. Só implorava e se debatia. Silêncio. O poeta está pensando. Foi o que lhe veio na hora.