Artes Plásticas: Tarsila do Amaral

“Ide, ide de mim!
Passa a árvore e fica dispersa pela Natureza.
Murcha a flor e o seu pó dura sempre.
Corre o rio e entra no mar e a sua água é sempre
a que foi sua.

Passo e fico, como o Universo.” Fernando Pessoa [Alberto Caeiro]

Tarsila-do-Amaral.jpg

No seio de uma fazendinha, a branca menina mama. A escrava luzidia de protuberâncias fartas oferece o leite, posta a incapacidade da matriarca. A menina espia o gado, a igrejinha, os porcos, e do colo da negra sente uma pontada. Está de pé, a espantar macacos. Do galho lânguido surrupiam bananas, regurgitando sementes.

A menina agora vive em São Paulo. Leva ao braço a filha, e no outro “a marca”. Cochicham as doninhas: – Esta, é desquitada. Mas de um bom marido, não precisa a Arte. A não ser a pena, o pensamento, as cores. Para o mundo um quadro. Tarsila apelidou-o: “Homem que come homem”. Oswald gostou. É o novo amante. Ainda não o apresentamos.