Nu colo

“Esta desmaterializava o compacto.” Clarice Lispector

Jacopo_Tintoretto_A Dama que descobre os seios

Uma mulher negra com um bebê branco no colo. Face coberta, não tem os olhos. Aranha de pelos e braços longos: gérmen gruda nu cólon. A aranha tece a teia rapta o inseto minúsculo. Só sei que ela morre. E o filhote sobrevive.

Porque aconteceu algo durante a noite. E eu estava lá. Mas era dia. Mas os carros não a deixavam passar. E ela nem se sabe se quer atravessar a rua. Ela uma mulher negra. NA RUA. Ele um bebê branco. NO COLO.

Veja mais

Nora Ney: A tristeza falada

“Que à noite, me vá depor
Na campa em que eu dormitar,
Essa tristeza, essa dor,
Essa amargura, esse amor,
Que eu lia no teu olhar!” Florbela Espanca

Nora-Ney

Nora Ney, a cantora das trágicas paixões que há no mundo, da dor-de-cotovelo, da fossa, dos “fracassados do amor”. Com sua interpretação certeira, cantou a boemia, o preconceito, o amor e a mágoa e atingiu como ninguém o seu alvo: o coração daqueles que sofrem e que amam.

“Todo boêmio é feliz
porque quanto mais triste
mais se ilude.
Esse é o segredo de quem,
como eu, vive na boemia:
colocar no mesmo barco
realidade e poesia.
Rindo da própria agonia”

Veja mais

Crítica: peça “Humor”, do grupo Quatroloscinco, é melhor quando não se explica

“Dever de legisladores e magistrados
de cuidar pelo interesse sobre a literatura
e princípios de… bom humor…” Ezra Pound

Humor

Com texto próprio o grupo “Quatroloscinco – Teatro do Comum” se propõe a desvendar e apresentar os enigmas que emergem da palavra “humor”, título da nova empreitada. O trabalho dos atores é notável, assim como a montagem de cenário, trilha sonora, figurinos e os criativos efeitos visuais, como penas que voam de travesseiros e até da boca do médico. A construção em prosa com floreios à poesia se vale de excelentes ironias, como as direcionadas aos profissionais das áreas de saúde, direito e das artes cênicas, e a proposital mistura entre real e imaginário chega, de fato, a confundir a plateia, neste que é certamente o principal mérito da encenação.

O único porém fica por conta do excessivo monólogo que o intérprete de Amadeu trava com o público. Na tentativa de relativizar ele expõe uma opinião que é, justamente, objetiva. Isto empobrece a principal magia do teatro, jamais centrada na auto-explicação, mas sim no auto-entendimento de cada espectador. As imagens formadas na menção de pombos, cactos, cartas não recebidas, entre outras, contribuem para o clima árido a contemplar a cena, enquanto esta se debate com a caricatural chancela imprimida pelas personagens, seus artefatos e afetações. A irreverência e imprevisibilidade da trama como um todo merece destaque.

Veja mais

Crítica: peça “Pas de Deux para 2 mulheres” é comovente obra-prima

“Deixe então perecer sua esperança; e minha alegria esmorecer no deserto; avance nua.” Virginia Woolf

pas-de-deux-para-2-mulheres

Dizer que a peça “Pas de Deux para 2 mulheres” é baseada, além de em três textos de Virginia Woolf, na vida da escritora inglesa soa quase como uma redundância. Afinal a artista se entregou ao ofício como à própria vida, que refratava e auxiliava na difícil missão de permanecer, seguir, quando os impulsos de abandonar o mundo eram vários, constantes, diários. Foi em diários, contos, romances e peças entre um modelo e outro, a exemplo da preferência em contestar a exatidão das biografias, que Virginia escreveu um dos capítulos mais marcantes, inquietos e emotivos da moderna literatura. A frouxidão do tempo, do espaço e da condição humana aparece na obra “Orlando”, em que a personagem atravessa séculos e gêneros.

Ao passo em que “Mrs. Dalloway” centra-se na questão da memória, do vazio existencial e das pesadas correntes do passado. Entre uma e outra, um cachorrinho, personagem central de “Flush”, que fará o papel de aproximação e distanciamento entre as duas protagonistas, vividas, na peça, por Andréia Gomes e Luciana Veloso. O desempenho das intérpretes é arrebatador, do começo ao fim, e, por incrível que pareça, cresce à medida que o enredo se desenvolve, deixando no espectador a sensação de extensa proximidade com aquelas vidas, a ponto de não querer que elas se dissolvam ao cerrar das cortinas, aqui invisíveis, como tantas coisas que só se percebem no espetáculo, a partir da magia improvável do bom teatro.

Veja mais

As Músicas Que Clodovil Cantou

“Em assuntos de vital importância, o estilo, e não a sinceridade, é o verdadeiramente vital.” Oscar Wilde

Clodovil

O falar empolado e as idiossincrasias da personalidade tornaram Clodovil uma figura caricata. Infelizmente, a imagem que cristaliza o tempo nem sempre é a mais próxima da realidade. Estilista consagrado, após estrondoso sucesso passou a se dedicar menos à alta costura e mais àquilo que considerava a realidade da maioria da população de seu país, oposta à dele, já incorporado a uma privilegiada minoria da elite financeira do Brasil. Astuto, Clodovil tanto se ofereceu às artes como estas a ele. Criou moda para peças teatrais e filmes.

Nos palcos não apenas interpretou personagens, inclusive na televisão, quase unicamente sendo o próprio ou algo muito próximo disto – com algum disfarce de troca de nome, quando muito – como se deleitou a soltar a voz com o rigor e a elegância que pautaram suas costuras e alfinetadas, em canções tarimbadas. Além da pecha de barraqueiro, polêmico e briguento, alcunhas construídas pelo apresentador ao longo dos anos em programas muito populares, Clodovil foi um homem com talento e dom para a cultura e a arte.

Veja mais