Entrevista: Jhê Delacroix, entre a irreverência e a preocupação histórica

“Tomo para mim uma tarefa inteira:
A de guardar um tempo, o todo que recebe
E livrá-lo depois de um jugo permanente.
Outros te guardarão. Não eu que só pretendo
Libertar na alegria o coração e a mente.” Hilda Hilst

Obra da artista plástica Jhê Delacroix

Ela imitava Sandy e Simony e ouvia Daniela Mercury, não necessariamente ao mesmo tempo. Entre as faxinas da mãe “escutava uma gama imensa de música de um determinado estilo”, sucesso na época, como a dupla sertaneja Zezé di Camargo & Luciano. “Não nasci Clarice Lispector por pouco”, confessa ela que, ao ser questionada sobre o nome artístico, responde como a autora de “A Maçã no Escuro”. “É segredo, só as crianças sabem”, ri-se. Assim Jhê Delacroix, natural de Niterói, no interior do Rio de Janeiro, e residente em Belo Horizonte há quatro anos mantém o mistério e não entrega pistas de parentesco com o pintor francês famoso por telas políticas, de que é o maior exemplo “A Liberdade Guiando o Povo”. Mas deixa claro que com seus 28 anos e alma lavada sem ter onde secar – para parafrasear Cazuza – navega entre a irreverência e a preocupação histórica. De volta à meninice Jhê recorda seus primeiros tempos. “Sempre amei escutar música e como também tinha essa aptidão imitava os artistas pros meninos mais velhos pra poder enturmar”.

Veja mais

Entrevista: Nasce o Sol Poente de Maíra Baldaia

“Rompe a amargura até transmutar em ternura
Só a arte salva de nossos monstros, a arte é cura,
Veneno e antídoto, só ela, única, perdura em nosso peito” Maíra Baldaia

Maíra Baldaia e seu sol poente

“Minhas principais influências estão nas ruas, nas mulheres do meu dia a dia, na resistência nossa de cada dia, na ancestralidade que toca o meu corpo e forma minha identidade, nos amores e nos aprendizados, na natureza e nos movimentos que ela nos propõe, nas paisagens e passagens de tempo, nas cores, na liberdade e, principalmente, nas estradas e nos novos olhares que elas nos despertam”, é com estas palavras que Maíra Baldaia se apresenta, e não há ninguém melhor do que ela para tentar o entendimento de si própria, sem pretender, com isto, a limitação. O que Maíra procura é liberdade. Mineira de Itabira – aonde, por acaso, também nasceu Carlos Drummond de Andrade – a artista já levou seu canto e sua poesia para Portugal, Espanha, Alemanha e Estados Unidos. Mas que com a aparência não se engane, Maíra, que também é atriz, está longe de deslumbrar-se com colonizadores. Suas raízes estão fincadas na África e no Brasil, que, com reverência, ela reinventa nas músicas.

Veja mais

Livro sobre arquiteto mineiro revela obra poética e rigorosa

“arte que te abriga arte que te habita
arte que te falta arte que te imita
arte que te modela arte que te medita
arte que te mora arte que te mura
arte que te todo arte que te parte
arte que te torto ARTE QUE TE TURA” Paulo Leminski

Humberto Serpa aliou poesia a precisão

Embora reconhecido entre seus pares, Humberto Serpa permanece nome desconhecido, mesmo quando se fala de arquitetura, entre a grande maioria do público. É essa lacuna que Nara Grossi pretende preencher com o lançamento do livro “Humberto Serpa: arquitetura”, ocorrido na segunda-feira do dia 13 de fevereiro, na Academia Mineira de Letras. O material toma como base a dissertação de mestrado da autora, graduada em arquitetura pela UFMG e mestre pela faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP.

Nascido em Belo Horizonte em 1943, Serpa é reconhecido por ter influenciado decisivamente a arquitetura mineira do século 20. São dele projetos como o edifício do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG), projetado em 1969, quando Humberto contava 26 anos, e a residência do proprietário da livraria Van Damme, no bairro Mangabeiras. “Para Humberto, a arquitetura-arte alia rigor e persistência, onde a busca exaustiva da solução ideal corresponde à alma do objeto idealizado”, afiança Nara, que não deixa de destacar a atuação de Serpa como professor e artista plástico.

Veja mais

15 Músicas de Sucesso no Carnaval

“O Carnaval é a invenção do Diabo que Deus abençoou…” Caetano Veloso

Músicas de sucesso no carnaval

Cantado em verso e prosa e de cabo a rabo no Brasil todo, o Carnaval é certamente a festa popular do país mais reconhecida intramuros e além deles, pois feito, principalmente, de exaltação e liberação de costumes, transas e bodes. Com a bênção de Baco, Deus e o Diabo, a festança se estende por 4 dias entre os 4 cantos e becos e bocas por avenidas, blocos, ruas, confetes e serpentinas. Tradição maior a folia canta suas alegrias, tristezas e esperanças, em forma de sátira, gozo ou lamentação desde que o mundo é mundo, mas, no caso, aqui vamos da década de 1930 até os anos 2000, com direito a Carmen Miranda, Braguinha, Assis Valente, Caetano Veloso, Gal Costa e tudo o mais!!!

Veja mais

Brasileiro é escolhido entre 4000 candidatos para curso na Austrália

“Não deves acreditar nas respostas. As respostas são muitas e a tua pergunta é única e insubstituível.” Mario Quintana

Daniel Miguel Melo é o escolhido para curso na Austrália

Daniel Miguel Melo é natural de Belo Horizonte, tem 28 anos e nasceu no dia 21 de janeiro de 1989. Essa poderia ser uma história comum não tivesse sido ele escolhido entre mais de 4000 candidatos para apresentar as suas ideias em um dos cursos de tecnologia e inovação mais renomados do mundo. Formado em Publicidade e Propaganda pela Newton Paiva, trabalhou como Gerente de Marketing, em empresa de eCommerce, canal de televisão, agência de publicidade, rádio, abriu suas próprias empresas e hoje é o principal responsável pelo funcionamento da Resultam, empresa especializada em consultoria para marketing. Muita experiência para pouca idade, daí começa-se a entender o fato de ele constar entre os 77 selecionados, sendo dos únicos brasileiros. Logo abaixo, na entrevista, o próprio Daniel explica um pouco de seus passos e como esta experiência poderá se concretizar e trazer benefícios que vão além de uma só pessoa. Nessas horas é sempre bom ouvir quem faz.

Veja mais