10 maiores vendedores de discos do Brasil

“Obras, satisfações, glórias, tudo se esvai e se esbate. Pelos trinta anos, a gente que se julgava Shakespeare, está crente que não passa de um ‘Mal das Vinhas’ qualquer; tenazmente, porém, ficamos a viver, esperando, esperando… o quê? O imprevisto, o que pode acontecer amanhã ou depois. Esperando os milagres do tempo e olhando o céu vazio de Deus ou Deuses, mas sempre olhando para ele, como o filósofo Guyau.” Lima Barreto

Rita Lee é mulher que mais vendeu discos no Brasil

Corria o ano de 1982 quando uma invenção abalou as estruturas do mercado musical com promessas de revolução. Na mesma data, Belo Horizonte ganhava uma loja de discos que, a princípio, só comercializava compactos, fitas-cassetes e vinis, já que o tal CD ainda demoraria cinco anos para chegar ao Brasil, mas só se estabeleceria a partir de 1995. Crises de diferentes níveis não impediram Halina Souza de, ao lado do irmão, permanecer à frente da Discoplay: Discos Raros, localizada na rua dos Tupis desde o nascimento. Atualmente o foco da empreitada é justamente o CD, com espaço para o DVD.

Veja mais

10 discos mais vendidos no Brasil

“A arte é longa e a vida é curta, e devemos ser pacientes, ao mesmo tempo que tentamos vender caro nossas vidas.” Van Gogh

Marília Mendonça é recordista em vendagem de discos

A matemática é simples: os discos físicos sofreram uma queda de 43% em relação ao ano anterior, enquanto as plataformas digitais tiveram aumento de 52%. Os dados divulgados pela associação que representa as principais gravadoras do país, conhecida como Pró-Música Brasil, vieram à tona no final de 2017, e analisam números de 2015 e 2016. “Sim, dona lógica, a alma também precisa de um pouco de ar” é uma frase do poeta Mario Quintana que talvez explique porque em arte, às vezes, “dois e dois são cinco”, versos de Caetano Veloso feitos para o rei Roberto Carlos cantar nos idos anos de 1971.

Afinal de contas, apesar de todos os avanços na tecnologia para baixar e consumir música sem precisar do aparelho ou suporte físico, artistas de diferentes estilos e adesão junto ao mercado fonográfico continuam lançando trabalhos ainda através de CD, LP, DVD e afins. A constatação engloba tanto uma geração que se acostumou a isso, casos de Martinho da Vila, Maria Bethânia, Gal Costa, Chico Buarque e outros, quanto os representantes mais estourados no mercado pop, cuja velocidade de rotação é cada vez mais acelerada. Isso sem mencionar os ilustres desconhecidos da brava seara independente.

Veja mais

10 sambas para a Estação Primeira de Mangueira

“Todo o tempo que eu viver, só me fascina você, Mangueira
Guerreei na juventude, fiz por você o que pude, Mangueira
Continuam nossas lutas, podam-se os galhos, colhem-se as frutas
E outra vez se semeia, e no fim desse labor, surge outro compositor
Com o mesmo sangue na veia” Cartola

Cartola fundou a escola de samba Mangueira

Uma das mais antigas escolas de samba do país, a Estação Primeira de Mangueira é, certamente, a que mais recebeu canções em sua homenagem na música brasileira, e também das mais vencedoras na história do Carnaval no Rio. Fundada em 28 de abril de 1928, a agremiação comemora 90 anos em 2018 e tem, entre os seus criadores, alguns dos sambistas mais respeitados de todos os tempos, como Cartola e Carlos Cachaça, sem falar em nomes ilustres que passaram a participar de suas atividades posteriormente, casos de Nelson Cavaquinho, Chico Buarque, Beth Carvalho, Jamelão, Nelson Sargento, Alcione, Maria Bethânia e tantos outros. Como diriam bambas: e lá vai fumaça!

Veja mais

Centenários 2018: Jacob do Bandolim mudou panorama do instrumento

“Não, arco nenhum há que morda/Meu coração, fiel instrumento,
E faça mais regiamente/Cantar sua mais vibrante corda,
Que tua voz, gato misterioso,/Gato seráfico e estranho,
Em quem tudo é, como em anjo,/Tão sutil, tão harmonioso!” Charles Baudelaire

Jacob do Bandolim é autor de clássicos do choro

A última letra do primeiro nome, embora muda, já prenunciava o início musical do instrumento que ele iria tocar. Hoje, ainda se fala no seu bandolim. Há exatamente 100 anos nascia Jacob Pick Bittencourt, conhecido como Jacob do Bandolim. “Jacob toca Jacob, os outros tocam bandolim”, definiu o arranjador Radamés Gnatalli. Discípulo de Ernesto Nazareth e Pixinguinha, Jacob é, segundo o coro de entendedores do gênero como Sérgio Cabral e Henrique Cazes, “o maior instrumentista que o Brasil já teve”. Suas músicas foram gravadas por Ademilde Fonseca, Elizeth Cardoso, Zimbo Trio e outros artistas de peso. A fim de comemorar a importância da data, o músico Hamilton de Holanda prepara, para o segundo semestre, um box com seis álbuns contendo apenas canções de Jacob.

Na mesma esteira, o conjunto Época de Ouro, idealizado pelo mestre do bandolim, retoma suas atividades em nova formação, agora com a presença do violonista João Camarero. O último disco do grupo foi lançado em 2010. Para completar as festividades, o Instituto Jacob do Bandolim colocou na rede um site dedicado ao compositor (http://www.jacob100.com.br) e planeja realizar oficinas e shows para saudar Jacob. Partituras, fotos e áudios já estão disponíveis no endereço eletrônico. Ao todo, o filho de pai capixaba e mãe polonesa judia criado no bairro de Jacarapeguá, no Rio de Janeiro, lançou 12 discos, participou em outros três, recebeu 11 tributos e 17 coletâneas, além de gravar 53 compactos de 78 rotações entre 1947 e 1969, quando faleceu aos 51 anos, vítima de problemas cardíacos.

Veja mais

4 Sucessos de João Roberto Kelly

“Eu passo as minhas horas a brincar com palavras.
Brinco de carnaval.
Hoje amarrei no rosto das palavras minha máscara.
Faço o que posso.” Manoel de Barros

João Roberto Kelly é autor de marchinhas de sucesso

Gravado por Elis Regina, Elza Soares, Cauby Peixoto, Ademilde Fonseca, Angela Maria, Emílio Santiago, Dalva de Oliveira e Agnaldo Timóteo (numa rara parceria com o poeta J. G. de Araújo Jorge), ele se orgulha, principalmente, de “ser cantado pelo povo”. Prestes a completar 80 anos no próximo dia 24 de junho, o geminiano João Roberto Kelly segue compondo marchinhas. Autor de sucessos carnavalescos do porte de “Cabeleira do Zezé”, “Mulata Bossa Nova”, “Maria Sapatão” e “Joga a Chave, Meu Amor”, Kelly colocou na praça sua mais recente criação através da internet, com um vídeo postado no YouTube onde, acompanhado por outros foliões, destila sua verve irônica. “Alô Alô Gilmar” faz troça de Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Veja mais