10 pérolas musicais de Sidney Miller

“O amor que atenua
O tiro no peito e o sangue na rua
A fome, a doença, não sei mais por que
Que noite, que lua, meu bem, pra quê?” Sidney Miller

Comparado a Chico Buarque no início da carreira, o carioca Sidney Miller é, nos dias atuais, um nome bem menos reconhecido do que seu conterrâneo e contemporâneo. Mas o motivo para os elogios eram justos, tanto que, em 1967, a cantora Nara Leão selecionou quatro canções de Chico e cinco de Miller para compor o álbum “Vento de Maio”. A timidez do compositor falecido aos 35 anos, há quase quatro décadas, é hoje apenas lembrança para os mais próximos. Já a acuidade das letras embebidas em poesia permanece ao dispor de todos.

Veja mais

10 filmes marcantes com Meryl Streep

“Já fui loura, já fui morena,/já fui Margarida e Beatriz.
Já fui Maria e Madalena./Só não pude ser como quis.
Que mal faz, esta cor fingida/do meu cabelo, e do meu rosto,
se tudo é tinta: o mundo, a vida,/o contentamento, o desgosto?” Cecília Meireles

Meryl Streep é recordista de indicações ao Oscar

Recordista de indicações ao Oscar nas categorias ligadas à atuação, Meryl Streep volta a concorrer em 2018 por seu papel em “The Post: A Guerra Secreta do Jornalismo” e, com isto, passa a ter o nome incensado na Academia pela 21ª vez. Editor-chefe do site “Papo de Cinema”, o crítico de cinema Robledo Milani garante que “quem contesta essas indicações é porque não conhece o trabalho dela”. Aos 68 anos, a atriz acumula mais de 70 longa-metragens no currículo.

“O que mais me chama a atenção é a capacidade dela de não se mostrar Meryl Streep. Cada personagem é um mergulho naquele personagem e uma vontade de desaparecer para dar vazão a uma outra vida. Ela não repete maneirismos, consegue sublimar a persona, o que é também uma demonstração de humildade”, afiança Milani. O crítico elege os momentos mais marcantes da trajetória da atriz norte-americana.

Veja mais

Análise: Musa, Tônia Carrero preferiu os palcos de teatro

“É isso mesmo! Exatamente! Dar vida a seres vivos, mais vivos que aqueles que respiram e vestem roupas! Menos reais, talvez, porém mais verdadeiros.” Luigi Pirandello

Tônia Carrero faleceu aos 95 anos de idade
Paulo Autran dizia que ela sofria preconceitos pela aparência. O fato de ter sido considerada uma das atrizes brasileiras mais bonitas de todos os tempos pesou, no início da carreira, tanto contra quanto a favor de Tônia Carrero. Como quem abre portas, a primeira impressão provocava, de cara, um encantamento. No entanto, por algum período ela foi questionada quanto ao talento. Autran, justamente o companheiro mais longevo nos palcos de teatro, denunciava a discriminação no meio artístico em relação à possibilidade de conjugar inteligência, sensibilidade e beleza. É compreensível que todas essas qualidades numa só pessoa cheguem a incomodar em um meio tão pautado pela vaidade. Aliás, para Tônia a palavra de ordem era quase seu antônimo: humildade. Engraçado que poucas vezes ela tenha se apagado para dar vazão a uma personagem. Tônia foi uma atriz personalista, e que invocava um estilo.

Veja mais

10 maiores vendedores de discos do Brasil

“Obras, satisfações, glórias, tudo se esvai e se esbate. Pelos trinta anos, a gente que se julgava Shakespeare, está crente que não passa de um ‘Mal das Vinhas’ qualquer; tenazmente, porém, ficamos a viver, esperando, esperando… o quê? O imprevisto, o que pode acontecer amanhã ou depois. Esperando os milagres do tempo e olhando o céu vazio de Deus ou Deuses, mas sempre olhando para ele, como o filósofo Guyau.” Lima Barreto

Rita Lee é mulher que mais vendeu discos no Brasil

Corria o ano de 1982 quando uma invenção abalou as estruturas do mercado musical com promessas de revolução. Na mesma data, Belo Horizonte ganhava uma loja de discos que, a princípio, só comercializava compactos, fitas-cassetes e vinis, já que o tal CD ainda demoraria cinco anos para chegar ao Brasil, mas só se estabeleceria a partir de 1995. Crises de diferentes níveis não impediram Halina Souza de, ao lado do irmão, permanecer à frente da Discoplay: Discos Raros, localizada na rua dos Tupis desde o nascimento. Atualmente o foco da empreitada é justamente o CD, com espaço para o DVD.

Veja mais

10 discos mais vendidos no Brasil

“A arte é longa e a vida é curta, e devemos ser pacientes, ao mesmo tempo que tentamos vender caro nossas vidas.” Van Gogh

Marília Mendonça é recordista em vendagem de discos

A matemática é simples: os discos físicos sofreram uma queda de 43% em relação ao ano anterior, enquanto as plataformas digitais tiveram aumento de 52%. Os dados divulgados pela associação que representa as principais gravadoras do país, conhecida como Pró-Música Brasil, vieram à tona no final de 2017, e analisam números de 2015 e 2016. “Sim, dona lógica, a alma também precisa de um pouco de ar” é uma frase do poeta Mario Quintana que talvez explique porque em arte, às vezes, “dois e dois são cinco”, versos de Caetano Veloso feitos para o rei Roberto Carlos cantar nos idos anos de 1971.

Afinal de contas, apesar de todos os avanços na tecnologia para baixar e consumir música sem precisar do aparelho ou suporte físico, artistas de diferentes estilos e adesão junto ao mercado fonográfico continuam lançando trabalhos ainda através de CD, LP, DVD e afins. A constatação engloba tanto uma geração que se acostumou a isso, casos de Martinho da Vila, Maria Bethânia, Gal Costa, Chico Buarque e outros, quanto os representantes mais estourados no mercado pop, cuja velocidade de rotação é cada vez mais acelerada. Isso sem mencionar os ilustres desconhecidos da brava seara independente.

Veja mais