Um abraço para se proteger do frio

“projeto-me num abraço
e gero uma despedida.” Cecília Meireles

Egon_Schiele_-_Zwei_sich_umarmende_Frauen_-_1911

Na terra uma margarida afofa o vaso. A primeira, gorda, acentua a banha ao apertar sobre ela o cafona cinto dourado de tiras alaranjadas. A segunda, magra, espirra em questão de segundos, e para conter a profecia do vírus abana irritada o lenço. Apesar da educação e cultura não sabe que vêm caracterizadas, a dupla: O Gordo e o Magro. Por cima das almofadas como poodles de madames abrem o sorriso largo: as duas têm dentes de ouro. Mas a boca da dupla definha quando abre: qual carniça desprezada por urubus: a revirar no lixo: remexer no lixo: e não se encontra a espinha do peixe cuspido entre frutas, alfafas e alfaces. Tanto falam que não falam nada. No fundo elas formam uma – dentre as muitas serpentes de Medusa uma cobra instaura a suprema fome.

Veja mais

Crítica: “MY NAME IS NOW” explora impacto imagético da voz de Elza Soares

“O ritual sincopado das gargantas
Tinha o ruído oco de umas águas
Deitadas bem de leve em algum cântaro.
Todo o espaço se enchia desse canto
E atraía umas aves, outras tantas.” Hilda Hilst

My Name Is Now, Elza Soares.

Um dos diferenciais do documentário dirigido por Elizabete Martins Campos em reverência a Elza Soares é que cabe à cantora conduzir a própria história através das palavras, cantadas ou faladas, às quais se acoplam imagens selecionadas pela equipe que tornam ainda mais vigorosos os discursos. Esse é um dos trunfos, mas não é o único. O roteiro, escrito a quatro mãos por Elizabete e Ricardo Alves Jr., longe de ser cronológico, tampouco procura tornar hermética personagem tão popular. E há os recursos cênicos em favor da história. Elza, de frente para um espelho, permite-se captar e absorver na intimidade, ultrapassando formalidades e superfícies, mesmo, e paradoxalmente, quando elabora e oferece uma performance de si, dando ao espectador a possibilidade de apreender características como a vaidade, a carência e a solidão, além das supracitadas força, determinação e coragem.

Veja mais

Mito do Grilo & da Onça

“Mas, testemunha de seu solo
E testemunha de seu mar,
O grilo é a maior elegia
Que a Natureza me faz.” Emily Dickinson

clark-lygia-bicho

Acode a savana. Nas costas o grilo pula. Sorri o tempo todo. Aprecia novela e romances. Não entendeste o insulto, sigamos. O grilo não é nenhum bicho que avoa, de hábeis pernas em verdes arbustos, com o olhar guloso para algumas plantas, vítima da maldade alheia – no caso: aranhas. Grilo é um moço feio: esbanja vitalidade. A peleja dos anos na roça dá-lhe a experiência que pelo tempo de vida falta. Tem a verdade inteira na boca: desce como uma bolacha pelo estômago de Grilo os quitutes à disposição. Aqui a cidadezinha, a pobre cidadezinha, parece relegada à orfandade, destas que não se nota, pois há sempre um grilo para lhe jogar por cima um pano: verde, amarelo, áspero.

Veja mais

3 imagens marcantes sobre o futebol brasileiro

“Em futebol, o pior cego é o que só vê a bola.” Nelson Rodrigues

portinari - futebol

Não é de hoje que a expressão “pintura” juntou-se ao esporte mais popular do país. Assim como “gol de placa” que, dizem, teria surgido de mais um lance genial do atleta do século, Pelé, ao anotar tento consagrado com a devida homenagem. Por essas também, e, sobretudo pelo drible, artifício capaz de desconcertar o adversário e provocar êxtase na torcida, o futebol é considerado e aclamado em sua plasticidade, donde se extraíram inovações como a “folha seca”, o “drible da vaca”, o “elástico”, a “caneta”, além das defesas de mão trocada e tantas outras praticadas por aqueles que evitam o momento maior do futebol, de maior alegria, o gol. Assim, o futebol provocou e inspirou imagens marcantes capturadas pelas lentes fotográficas, mas, também por artistas do traço, da pintura, que apresentamos agora com suas peculiares visões do jogo.

Futebol em Brodósqui (pintura, 1935) – Cândido Portinari
Cândido Portinari, um dos mais talentosos e respeitados pintores brasileiros de todos os tempos, no Brasil e no exterior, reverenciado por alguns modernistas, concebeu, em 1935, o quadro “Futebol em Brodósqui”, pintura que remete à infância do artista na cidade do interior onde nasceu e reserva à atividade o espírito lúdico de sua descoberta e dos primeiros anos. Com os traços habituais e característicos do pintor, retrata-se o conhecido futebol de várzea, em que a precariedade de recursos é substituída pela invenção e criatividade. É em meio a vacas, próximas de paus, pedras e cemitérios, que as crianças brasileiras de Portinari improvisam o jogo de expressivo apelo popular cultural.

Veja mais

Crítica: exposição sobre Mondrian reitera força da arte feita para interferir no mundo

“Cultivar o deserto
como um pomar às avessas:

então, nada mais
destila; evapora;
onde foi maçã
resta uma fome;

onde foi palavra
(potros ou touros
contidos) resta a severa
forma do vazio.” João Cabral de Melo Neto

mondrian-composition-noxvi-arbres_l

Embora tenha se destacado de seus pares o holandês Piet Mondrian foi um artista de grupo, de movimento e estilo. Primeiro porque acreditava no público em detrimento do privado e no coletivo em detrimento da esfera individual. Munido de concepções advindas da teologia, filosóficas e políticas, concebeu, através dos anos, o que viria a se denominar como “Neoplasticismo”, aonde a arte adquiria um novo domínio, pois ao abandonar as convicções realistas não apenas deixava de ser mera captadora do ambiente como emergia frente a uma nova e reveladora ambição, a de interferir, objetivamente, sobre a percepção humana e, com isto, modificar os seus atos, por conseqüência direta. Eram os anos que precederiam a Primeira Guerra Mundial, e mesmo durante e um pouco depois as relações humanas pareciam tão ou mais absurdas do que estruturas geométricas se estipularem como a modernidade.

Veja mais