Análise: Jerry Adriani moldou personalidade com versões românticas

“Doce, doce amor, onde tens andado
Diga por favor, doce, doce amor
Doce, doce amor, que eu vou te encontrar
Meu bem, seja onde for” Raul Seixas & Mauro Motta

Jerry Adriani cantou em português, inglês e italiano

É curioso notar que o cantor Jerry Adriani tenha influenciado artistas tão diferentes como Renato Russo e Raul Seixas. Embora ambos sejam associados ao rock ele exerceu sobre cada um impressões díspares. O que vem a revelar uma característica marcante da trajetória de Jerry. É difícil defini-lo não pela amplitude de seu estilo, mas, justamente, porque este foi moldado a partir de um repertório que procurou abarcar várias vertentes. Associado à Jovem Guarda, Jerry é, sobretudo, um cantor romântico. Nesse sentido, tanto a canção italiana que seduziu o líder da Legião Urbana quanto a sensualidade rebelde de Elvis Presley presente na gênese de Raul Seixas convergem para a mesma direção: a passionalidade. É certo que Renato a compreendia de maneira sincera, emocionada, tal como Jerry, ao passo que Raul se valia do sentimento para desferir suas ironias ferozes e inteligentes sarcasmos. Não é o caso de “Doce, doce, amor”, música que Seixas e Mauro Motta escreveram para o já consagrado Adriani no ano de 1972.

Veja mais

3 músicas brasileiras para Tiradentes

“Ele representava o eterno dissidente, o constante inconformado, o eterno rebelde.” Reinaldo Arenas

Tiradentes foi retratado na música de Minas

Símbolo da insurgência por sua atuação destacada na Inconfidência Mineira – mártir e principal símbolo do movimento – o alferes Joaquim José da Silva Xavier teve sua trajetória retratada na música, no cinema, na literatura, no teatro e nas artes plásticas, dentre outras manifestações culturais igualmente populares, tanto que o apelido tornou-se, inclusive, nome de cidade mineira: Tiradentes. Especificamente na canção, o rebelde Tiradentes foi exaltado em forma de samba-enredo, usado em paródia carnavalesca e cantado com lirismo numa valsa cuja matriz principal é o chorinho. Seja como for, sua imagem permanece levando para gerações a premência da liberdade, ainda que tardia.

Veja mais

10 álbuns essenciais de Milton Nascimento

“Trabalhando o sal, pra ver a mulher se vestir
E ao chegar em casa, encontrar a família a sorrir
Filho vir da escola, problema maior de estudar
Que é pra não ter meu trabalho, e vida de gente levar” Milton Nascimento

Milton Nascimento é símbolo do Clube da Esquina

Milton Nascimento quer voltar às origens. Há 50 anos ele iniciou sua “Travessia” dentro da música brasileira com álbum de título homônimo. Agora o cantor celebra as “bodas de ouro” e estreia show. O retorno é também a Minas Gerais. Em junho do ano passado Milton deixou o Rio de Janeiro e fixou residência em Juiz de Fora. Como se não bastasse, escolheu Belo Horizonte para apresentar, pela primeira vez, o espetáculo “Semente da Terra”. Os ingressos esgotaram-se rapidamente. “Esse show marca o meu presente, minha carreira, meus amigos, meu passado e, sobretudo, as coisas que eu vejo no mundo de hoje, todos esses fatores convergem para a minha música”, assinala o artista, que retornou aos palcos após mais de um ano afastado.

Veja mais

Mineiro coloca letra em música de Zé Ramalho

“Na Paraíba um mineiro assim chegou
Usava botas carmesins e um terno azul
Sobre a cabeça o chapéu de um verde rum
No olhar cingia a esperança contra alguns” Raphael Vidigal

Música de Zé Ramalho ganha letra

Quando o cavaquinista Waldir Silva (1931 – 2013) apresentou a Raphael Vidigal, 28, sua obra autoral, o jornalista logo se deteve em uma canção específica, “Paraibeiro”, composta pelo instrumentista mineiro em parceria com o músico paraibano Zé Ramalho, 67, na década de 1970, quando os dois se encontraram nos estúdios de gravação da Polygram. Ali mesmo eles compuseram a melodia, um choro instrumental que brincava com as características da música mineira e paraibana, daí o título, advindo da mistura entre um paraibano e um mineiro.

Veja mais

Análise: Chuck Berry levou para sua música o culto à personalidade

“Por minha missão mais tarde – promessa de iluminar a humanidade – isto é, soltar partículas – (louco como você) – (sanidade um truque convencional)” Allen Ginsberg

Chuck Berry foi um dos pioneiros do rock

O pai do rock nacional afirmava em 1989 que nunca vira “Beethoven fazer aquilo que Chuck Berry faz”. A referência era explícita por parte de Raul Seixas (em parceria com Marcelo Nova) àquele considerado por muitos como “pai do rock mundial”, embora nem um, nem o outro, tenha assimilado o epíteto com orgulho. Berry era a alma do rock’n’roll, o que facilmente se percebia nesse sucesso de 1956 que Raul usava de fundo para sua canção em reverência ao estilo. Além do deboche, a rebeldia juvenil – que não segurava palavras para dizer que o pai da música clássica devia rolar no túmulo ao ouvir as guitarras e aventuras da geração do Pós-Guerra americano – Berry introduziu uma maneira bastante própria de se portar no palco e, consequentemente, interpretar suas músicas, o que, é bem provável, contribuiu para o culto à sua personalidade marcada por exotismos e confusões de toda ordem ética e legal.

Veja mais