Cinema: A Erva do Rato

Último filme de Julio Bressane impressiona pela beleza incômoda

Júlio Bressane

Júlio Bressane segue fiel à marginalidade. O gosto amargo que amianto seduz em suas películas corre longe do vagão maquinário da indústria. Em direção quase sempre perpendicular e composta por quadros vagos, parados, extrapola uma beleza radiante.

É louvável o modo com que o diretor utiliza de artifícios toscos para gerar sensações de estranhamento. No seu caso a simplicidade roça com a boca aberta a natureza e se orgulha disso. Dando ao espectador prazer indizível.

Veja mais

Roque Ferreira (Samba)

Samba

Quem é o homem por trás da reza dessa menina? Fio aceso navalha convicta no interior da Bahia. Recôncavo revanche às pilastras. O resto é mistério, segredo de quem vem de lá. Não basta dizer é ouvir e avir e iridescente há.

O conluio entre ele, Batatinha, Edil Pacheco, Riachão, Ederaldo Gentil, Nélson Rufino, Walter Lima e Panela. Pois covardemente rasparam o tacho mais gorduroso da música brasileira. E dessa forma, cozeram as suculências que nos legam água na boca.

Veja mais

Show: Arnaldo Antunes & Edgar Scandurra

Brasil aproxima-se da África em projeto inspirado da dupla

Show

Descontraídos e afiados, Arnaldo Antunes e Edgar Scandurra conduzem o mastro do navio que leva o Brasil até Mali. Com a baixa do escriba africano Toumani Diabaté a curva acentuada da cintura que se avista ao longe suspende o movimento por breves momentos, a fé a desembocar ferozmente num açoite intencional.

Percalços sugeridos na travessia pela falta que um homem faz são logo repudiados com doses cavalares de adrenalina imanada por ecos, senhas, guitarra e tambor. O chão do convés é terremoto. As velas aglutinam-se em vulcões. Uma agitada tempestade resoluta abrange o cosmos do Sesc Palladium.

Veja mais

Tetê Espíndola (Cantoras brasileiras)

Cantora

No sul do Mato Grosso do Sul. No alto da primeira altitude, o ato da primeira atitude é desgovernar a revoada. De pássaros no viveiro viveres múltiplos marinheiros. Mar e céu abolem a divisão bojuda intriga dessa terra vã sã.

Se a compreensão humana se acostumou ao peso grave dos palacetes, Tetê Espíndola desafia e afina o instrumento leve. Leve falsete falseando a expectativa? Dum buraco de nozes? Duma toca de lobo? Um tatu acha o rastro, queixa o taco no escuro, e nele arrola.

Veja mais

Show: Wilson Souza

Músico apresentou repertório do novo disco no Conservatório UFMG

Contas a pagar

O desconhecido quase sempre gera desconfiança. Suspeita e medo que logo se desfazem aos primeiros acordes tocados no violão dedilhado por Wilson Souza, catarinense que há três anos trocou os mares do litoral pelas montanhas de Minas. E diz adorar Belo Horizonte, sendo que é possível acreditar pela espontaneidade e ânimo com que conduz o espetáculo.

Primeiro apresenta ‘Mulher’, para em seguida colocar na roda a música que dá nome ao show, a hipnotizante ‘Contas a pagar’, nome espirituoso que justifica a levada apreciada por seu condutor. Interrompendo a parte meramente instrumental, chama ao palco o primeiro convidado.

Veja mais