Dia dos namorados: Par Perfeito (Literatura)

“Nunca eu tivera querido
dizer palavra tão louca:
bateu-me o vento na boca,
e depois no teu ouvido.
Levou somente a palavra,
deixou ficar o sentido.” Cecília Meireles

Dia dos namorados

Meu par perfeito, só para começar, precisa de muitos defeitos, no mínimo uns quatrocentos.

Meu par perfeito, em segundo lugar, há de brigar comigo, e se indignar, afinal se não notar os meus “poucos” defeitos, sinal de que não me vê direito.

Meu par perfeito, em terceiro lugar, precisa de várias manias, ter tiques de se irritar e blá blá blá, senão não me conquistará.

Veja mais

Dança: Festa Junina

“Suas coxas me escapavam
como peixes surpreendidos,
metade cheias de luz,
metade cheias de frio.” García Lorca

bandeirinhas

Bandeirinhas coloridas dançam uma quadrilha ao sabor do vento e da canjica.
A noiva veste branco, o padre sua bata preta e o noivo está amarelo de tanto medo!
Ao redor deles, os convidados completam a festa com roupas de todas as cores.
As mulheres com seus vestidos de chita e Maria Chiquinha no cabelo.
Os homens de camisa xadrez, calça remendada com panos coloridos e chapéu de palha.
Aquelas que ainda não encontraram um noivo fazem simpatias para Santo Antônio.
Aqueles que já encontraram uma noiva pedem a chave dos céus para São Pedro.
E aqueles que não querem uma coisa nem outra pulam a fogueira de São João!

Veja mais

Show: Zeca Baleiro (Calma aí, coração)

“(não sei dizer o que há em ti que fecha
e abre; só uma parte de mim compreende que a
voz dos teus olhos é mais profunda que todas as rosas)
ninguém, nem mesmo a chuva, tem mãos tão pequenas” e. e. cummings

A honra de ter me sido apresentado por você, ignora a conjugação do verbo. Zeca Baleiro, o inescrupuloso, desbrava os grandes sertões veredas pisando em cactos. Fura um buraco na secura da planta e dela bebe a água, jorra sede, jorra sebo, canta rap, funk, samba, funde cuca, rock, praia – no meio do deserto – com malemolência.

Os desfeitos técnicos, como uma chance da vida, embarcam na locomoção do autor, esparge na vossa cara o imperfeito, passível de erro, pecado, demora. Tudo pode para aquele que detém o pingente, grita alguém da platéia, recebe a resposta negativa. Motivo, segurança, momento, para usufruir da molequice embriagante, pirraça a descompostura de Lulu Santos.

Veja mais

Humor: As Empreguetes

“A única coisa que eu sei é que os passarinhos não precisam de escada para subir em nenhum lugar!” Quino

Perguntaram-me o que achava do clipe que só anda rolando (pois proibido nos outros) site da Rede Globo, verdadeira febre sem carnaval, fora de época.  Pois o susto foi grande quando lhes confrontei meu desconhecimento. Facilmente não sou um jornalista bem informado desse país.

Apesar do ledo engano à primeira vista, decidi satisfazer o meu gosto e provar do bolo já raspado por incensados dedos e tatos (e línguas até). Procurei pelo novo fenômeno da teledramaturgia musical brasileira e em poucos minutos estava de frente àquele que me revelaria.

Veja mais

Cinema: James Dean

“Não é a violência que eu procuro mas uma força ainda não classificada que nem por isso deixará de existir no mínimo silêncio que se locomove.” Clarice Lispector

Juventude Transviada

James Dean me abordou na rua, pediu dinheiro, sacou o canivete, colocou-o rente à minha goela. Parecia galinha em dia de abate. O escritor não deve ter vaidade, pudor nem vergonha. Virou as costas e começou a meter. Sinto falta de porrada. Inspiração de resíduos.

Os cabelos despenteados, loiros e rebeldes. Em seguida, entrou no carro e acelerou. Naquele acidente de percurso, ele morreria. Numa explosão grandiosa. Nunca mais o vi. Deixei cair um lenço na visagem. Seus olhos intermitentes ainda acenaram a agonia.

Veja mais