Marcellino, Pão e Vinho

“Voaram telhados, voaram andaimes, voaram coisas imensas:
os ninhos que os homens não viram nos galhos,
e uma esperança que ninguém viu, num coração.” Cecília Meireles

marcellino-vinho

Partiu-o ao meio. Não notou a natureza amedrontada do objeto estático. Mal lhe escapara o pé descalço a obstruir luz para couves e verduras outrem, quanto mais a natureza estática do objeto amedrontado. Feriu-lhe o bojo desprovido de pudor. Arregaçou as mangas encardidas do fiapo que protegia o próprio cadavérico corpo e iniciou o calvário da natureza inapta. Em momento algum se precipitou, nem se demorou além do necessário, a morte recolheu-se ao abrigo num acordo tácito.

A tigela, em frente, borbulhava com o leite fresco colhido das tetas da mais gorda vaca durante os primeiros raios daquela manhã. Calor e angústia aperfeiçoavam a pagã caminhada a desembocar no rito obrigatório. Aquela abatida de intrigas e indispensável desordem à fome terrena do menino magro. Agora, enquanto descia o líquido fresco que esquentava boca, pulmão, estômago, possuía nome, e um branco bigode, invisível e risonho, da infância apressada.

Veja mais

Reginaldo Rossi: o orgulho da vergonha

“Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,” Fernando Pessoa [Álvaro de Campos]

virada cultural largo do arouche reginaldo rossi

O poeta de língua portuguesa mais aclamado do mundo disse em versos estar farto de semideuses, a procura de gente que tivesse levado porrada, sido ridículo, cômico, passado vergonha, amar sem ter sido amado. Fernando Pessoa é um nome que, para quem conhece pouco, ainda sustenta uma frase, a da “dor que deveras sente”. Assim como Reginaldo Rossi, pois que ao bastante distraído não escapa a epígrafe de “Garçom”, em português claro, música de corno.

De um jeito ou de outro, embora um seja natural de Lisboa e outro de Recife, em Pernambuco, os dois espalharam em síntese os sentimentos que atingem a todos, e com uma postura diversa à da hipócrita sociedade: não esconderam os defeitos, as falhas, ao contrário, cada um a seu modo, o primeiro com elegância, o segundo de forma direta, simples, tosca, escancararam o orgulho da vergonha. O que sustenta a obra de Reginaldo Rossi é o tratamento que ele dá aos valores.

Veja mais

Crítica: peça “Minha Querida” une fragmentos para rir com o drama e chorar com a comédia

“Sou um artista começando… a passar fome. Batam palmas senão onde vou bater bombo?” Wally Salomão

Minha-Querida

Baseada nas obras da argentina Griselda Gambaro e do russo Anton Tchekhov, a peça “Minha Querida”, apresentada na Funarte pelo grupo de Teatro Universitário da UFMG, com direção de Rogério Lopes, une em fragmentos um coletivo de jovens atores cujo talento ajuda a brotar pelo texto crítico, ácido, e, sobretudo, bem humorado. Há uma visão de mundo a ser explorada pelos diversos personagens no corpo da mesma Olga: o ridículo da trajetória humana, inclusive nos momentos mais dramáticos. E o que sensibiliza é que esse olhar de deboche é sempre pautado por alguma ternura, afinal andam e se afogam todos nesse idêntico barco.

Há várias passagens impagáveis, como a canção em castelhano na ode à madeira, material de trabalho de um dos maridos enfadonhos da já cansada Olga. E o desejo que esta demonstra pela morte dele, nas entrelinhas, na exaltação com a possibilidade de um romance novo, mostra que os atores em cena estão dispostos a não poupar nada nem ninguém. Tudo é visto com uma desesperança crônica, até a própria profissão que, ainda em início de carreira, almejam. Afinal os aplausos ressoam sempre que há uma situação dramática, e o riso cobre o desespero sem o menor escrúpulo. Como na cena em que uma das atrizes se joga à porta e sai de lá encharcada de palmas: apenas mãos batendo, tão banais quanto qualquer cólica, é o que parece.

Veja mais

Entrevista: A música da alma de Hyldon

“Na natureza existem assinaturas
a dispensar a tradição verbal,
a folha do carvalho nunca folha plana.” Ezra Pound

Hyldon

Nem sempre o primeiro a sentir os versos tem o devido reconhecimento. Isso porque na música é habitual confundir quem canta como o dono da letra. Na maioria das vezes pela capacidade do intérprete, que além de alçar a canção ao sucesso a incorpora e reinventa. Casos parecidos com o de “Vapor Barato”, de Wally Salomão e Jards Macalé, imortalizada por Gal Costa, e mesmo “Vida Louca Vida”, de Lobão e Bernardo Vilhena, no registro histórico de Cazuza, assemelham-se ao do compositor Hyldon. É ele o autor das frases marcantes de “Na rua, na chuva, na fazenda”, gravada pelo Kid Abelha, e “As Dores do Mundo”, relançada pelo Jota Quest. E é ele quem lança disco novo, onde toca, compõe e interpreta, intitulado “Romances Urbanos”.

Com discografia que reúne agora quatorze títulos, entre autorais e participações, Hyldon sempre teve como princípio a soul music, e é um dos responsáveis pela difusão do estilo na música brasileira. Como ele mesmo diz, “tudo começou com Little Richard, acho que o ano era 1958, e a música era ‘Tutti Frutti’, um rock pauleira!”, afirma. Daí por diante seus ouvidos encontraram a obra de Ray Charles, em especial a canção “I can´t stop loving you”, e do grupo vocal The Platters, estourado na época com diversos hits, a exemplo da clássica “Only You” e a não menos famosa “My Prayer”. Esses foram alguns dos símbolos que tocaram o menino de sete anos. Era só o começo de uma paixão e uma carreira que não mais se separariam. Mais estava por vir.

Veja mais

Não há poesia lusa no país dos empedernidos tecnocratas

“Teu dever é lutar pelo Direito. Mas no dia em que encontrares o Direito em conflito com a Justiça, luta pela Justiça.” Eduardo Couture

poesia-lusa

No princípio era o verbo. Até que o lustraram e encadernaram. E o verbo já não era verbo. O verbo tornara-se grave, respeitável, de terno, paletó e gravata. Encontrava-se em estantes sob uma lustrosa capa. Ah, o verbo. Agora cobrado em vestibulares o teu sentido, perdeu o bom senso, ganhou imponência. Pouco me importa se Fernando Pessoa sabe conjugar uma frase, se Clarice Lispector segue as normas gramáticas, se Antônio Prata atentou-se à ortografia nova. Pouco me importa se há argumentos jurídicos capazes de tirarem a Portuguesa da enrascada em que por conta própria envolveu-se. O senso de justiça dos homens é anterior ao de legalidade. Assim como o de Poesia.

Repito nada mais do que aprendi com Rubem Alves, um ser muito além da alcunha de escritor, pedagogo e teólogo, que me ensina a perceber o humano, e do humano o erro, e deste erro a mágica. A burocracia trancafiou a essência dos homens. Permito-me o preconceito de discriminar duas profissões e afirmo: há muito as pessoas que optam por serem médicos ou advogados não tem como princípio ajudar ao próximo e promover a justiça, mas construir um plano de carreira. Há muito quem comanda planos de saúde pensa primeiro no lucro e em seguida no câncer. Há muito concursos públicos contratam profissionais capazes de papaguear a respeito do certo, do exato, do inexorável.

Veja mais