O conto da revelação: Garrafa no mar

“como uma folha se dobra com o vento ou uma flor se verga sob a pata do leopardo, entregar-se ao seu poder.” Truman Capote

Portrait of Ralph McWilliams Paul Cadmus

Dulce Veiga,

as coisas não estão fáceis (ando lendo muito Kafka, daí, acho, que o tom lamentoso…)…trago um sintoma na gaveta (nos arquivos) e tenho encontrado imensa dificuldade em revelar minhas alucinações, especialmente essa doença (pregação, que seja), que é uma coisa que vejo necessidade de FAZER ACONTECER, como um álibi que me permita dedicar mais tempo ao que realmente almejo: sonhos, ou, a magia.

A pressão é grande para que eu desista e volte ao mundo da realidade que tanto me chateia, e tenho tanta vontade de entrar em outros cantos, labirintos espirais, soturnos, mas em certos momentos o sintoma se esgota, quase desiste, pinço uma frase de Tennessee Williams (um dramaturgo enfermo de insônia que lhe afetava o dia todo: sonhava acordado e dormindo – ou seja, não dormia o repouso linear e estrito, mas somente naufragava ares e desembarcava navios nas estrelas):

“Não quero realismo. Quero mágica. Sim, mágica. Tento dar isso às pessoas. Sei que deturpo as coisas! Digo o que deveria ser verdade. Se isso é pecado, castigue-me!”

Veja mais

Apelos de mulher na música brasileira

“ – essa frágil e bela criatura diante da qual os homens se curvavam, essa criatura limitada e circunscrita que não podia fazer o que bem quisesse, essa borboleta com milhares de facetas nos olhos e uma delicada e fina plumagem, com dificuldades e suscetibilidades e tristezas inúmeras; uma mulher.” Virginia Woolf

Maysa-apelos-de-mulher

“Toda mulher gosta de apanhar”, disse Nelson Rodrigues. Talvez não seja isso. Mas talvez o sofrimento seja sim essencial ao amor, o amor verdadeiro. Talvez as lágrimas caiam para inundar de peixes os rios caudalosos das paixões. Assim como a chuva, que destrói e irriga a vida, o amor talvez precise penar para depois florescer. No amor verdadeiro, sêmen é lágrima. No programa especial de hoje você vai ouvir “apelos de mulher”. Músicas cantadas por mulheres que retratam todo o sofrimento de seus mundos e a espera, a luta, a busca pelo seu amor. Todos os apelos feitos para que esse amor vá embora, sofra ou fique com elas. Vocês ouvirão mulheres que sangram, que fazem loucuras, que rondam a cidade, que se deixam dominar, usando todos os artifícios e apelos possíveis. Hoje, vale tudo por amor.

1- Sufoco / Com açúcar, com afeto:
Dos vários tipos de amor que existem, um deles é o que sufoca, machuca, maltrata. O outro é o que cuida, constrói, espera, prepara o café e o doce predileto. Em comum, o fato de serem amores e passarem por cima do sofrimento, da indiferença e da loucura para sobreviverem. Pois embora seus cardápios sejam diferentes, um mais doce o outro mais amargo, ambos se alimentam do mesmo ingrediente indispensável ao amor: a superação. O amor é uma questão de superação. Só quem supera o sufoco é capaz de amar e de deliciar os seus sabores, com açúcar e com afeto, um apelo ao amor.

Veja mais

Crítica: peça “Eu não dava praquilo”, com Cassio Scapin, reverencia a irreverente Myrian Muniz

“Meu Deus, me dá cinco anos, me dá a mão, me cura de ser grande…” Adélia Prado

5D III

É na comparação entre o assaltante de uma bolsa e um político que reside o segredo do monólogo protagonizado por Cassio Scapin em que a atriz Myrian Muniz é homenageada. Evidentemente o bandido do bem de pequeno porte tem mais autenticidade, outra expressão identificada com o universo da personagem, que entre dar a mão a Deus e ao diabo não deixa passar em branco uma suma necessidade: a força da palavra.

Essa descoberta é feita por Myrian em um sonho no qual conversa com seu amigo, o Papa, e lhe questiona se a hóstia é realmente o corpo de Cristo. O pontífice deixa claro que a resolução depende mais do olhar que do objeto, o que só corrobora com algo que na infância já se iluminara aos olhos da menina brincando de interpretar: a força das coisas que não existem, da imaginação. Com uma didática própria, Myrian Muniz apresenta a vida ao teatro.

Veja mais

A Comida na Música Brasileira

“Os artistas sabem que suas obras não são para ser compreendidas, mas para ser degustadas.” Rubem Alves

comida-musica-brasileira

É de dar água na boca. Do peixe com coco ao vatapá. A feijoada completa, sem dispensar o torresmo à milanesa. Para quem gosta tem até jiló. De sobremesa uma goiabada, doce de coco e também bananas. E ainda a jaca que a Chiquinha corta. Tudo isso no tabuleiro da baiana, no pagode do Vavá, é um tico-tico só no fubá. O prato fundo já está servido. E quem quiser pegue o seu lugar. Cadeira vazia não pode ter. E se na gula alguém engasgar, com uma espinha de bacalhau, cante uma música bem brasileira, que lhe garanto, ela sai ilesa! E requebrando nessa balbúrdia, delícia a música e a comida, ainda mais se for brasileira!

1- No tabuleiro da baiana (samba-batuque, 1936) – Ary Barroso
“No tabuleiro da baiana”, composto por Ary Barroso em 1936, é um samba-batuque que traz em seu cardápio musical suingue e malemolência, em versos que soam tão deliciosos quanto os ingredientes do tabuleiro. Misturando elementos típicos da cultura baiana ao amor e ao samba e tornando-os definitivamente parte da mesma receita, Ary Barroso criou um dos mais famosos pratos da culinária musical brasileira. “No tabuleiro da baiana tem…”

Veja mais

Crítica: O melhor e o pior do humor no Brasil

“‘os flamingos e a mostarda são picantes. E a moral disso é… ‘Pássaros da mesma plumagem andam em bando’.” Lewis Carroll

melhor-humor-brasil

Não é fácil praticar humor e manter a elegância. Muitos já disseram se tratar esta da mais difícil arte dramática. Se vários conseguem alcançar o mérito, outros patinam e até afundam no gelo e na lama por pura falta de talento, a que ingenuamente denominam “liberdade de expressão”. A discussão sobre a comédia no Brasil precisa ultrapassar a barreira do correto e errado e chegar ao que realmente importa: o que tem graça e o que não tem.

Claro que se trata de um corte subjetivo, mas assim como existem piadas prontas, ditados populares, que só repetem o óbvio, há as que surpreendem e exigem do telespectador certa dose de ironia, audácia, sarcasmo, e dispensam a grosseria simples com que se acostumaram certos nomes como Danilo Gentili, Rafinha Bastos, e outros cujo repertório baixo representa o que há de pior no humor do Brasil. Não são atores, nem coringas, mas celebridades.

Veja mais