7 Músicas de Paulo Leminski

“um pouco de mao
em todo poema que ensina
quanto menor
mais do tamanho da china” Paulo Leminski

paulo-leminski

O “samurai malandro”, como ficou conhecido o poeta de Curitiba Paulo Leminski, traduz, logo no codinome, a gama de contradições e opostos que atraíram o artista. Com descendência polonesa e africana, Paulo furou o umbigo do Paraná e de lá puxou oriente, Brasil e Europa. Cinema, judô e arte plástica. Aquele que com aparente superficialidade ia do raso ao profundo, do clássico ao populacho. E foi sendo “mínimo em matéria de máximo” que Paulo Leminski construiu uma obra cuja precisão e musicalidade o eternizou junto a gentes variadas. Pois como pede o mendigo da praça, sobre os poetas deixem os poemas falarem.

Literatura: Hilda Hilst

“Ah, fui sempre
A das visões tardias!
Desde sempre caminho entre dois mundos

Mas a tua face é aquela onde me via
Onde me sei agora desdobrada.” Hilda Hilst

Sete cantos do poeta para o anjo

É difícil decifrar-se, ainda mais se tratando de Hilda Hilst. A escritora nascida em Jaú, no interior de São Paulo, que passou boa parte da vida na ‘Casa do Sol’ em Campinas, sítio construído para inspirar-se em meio aos astros, cachorros e terras que tanto admirava, foi uma das mais provocativas e líricas de seu tempo.

Qual o tempo de Hilda Hilst? Talvez o passado, arrisco o presente, o certo é que sua obra tramita numa confluência entre o douro do trigo, ainda tenro, e a madurez do pão na boca dos filhos aflitos, sozinhos, extremos.

Literatura: Torquato Neto

“e deu-se que um dia eu o matei, por merecimento.
sou um homem desesperado andando à margem do rio parnaíba.” Torquato Neto

Soy loco por ti América

Muita gente não entende ainda que a canção “Cajuína” é uma homenagem do poeta Caetano Veloso a outro poeta, Torquato Neto, natural de Teresina, no Piauí, morto aos 28 anos, na capital Rio de Janeiro, um dia após aniversariar, por suicídio.

Poeta porque Caetano Veloso, em especial nessa música, exprime uma veia lírica e doída, dessas que sangram indolentemente.

Literatura: Carlos Drummond de Andrade

“se o poeta é um ressentido, e o mais são nuvens?” Carlos Drummond de Andrade

Literatura brasileira

Uma rosa aberta em plena guerra. Feia, no entanto ainda flor. No meio do caminho uma pedra. E o claro enigma no qual investiu-se o poeta. Mineiro de Itabira, Carlos Drummond de Andrade é comemorado hoje, data de seu aniversário, com exibição de filmes a partir das 18h na Livraria Mineiriana e sarau com a presença de escritores convidados a partir das 19h, com curadoria da poeta Thais Guimarães.

O evento criado no ano passado, com o nome de “Dia D”, pretende propagar os lírios e versos do poeta. Na parte da manhã, às 9h, a festa será no Museu das Minas e do Metal, onde também haverá exibição de filmes e leitura de poesias daquele considerado por especialistas “o maior de todos os poetas brasileiros”, dando continuidade ao festejo já iniciado no final de semana, com espetáculo teatral apresentado no Centro Cultural JK.