5 cantadas de Jô Soares

“A prova de que a natureza é sábia é que ela nem sabia que iríamos usar óculos e notem como colocou nossas orelhas.” Jô Soares

Institucional

O múltiplo Jô Soares é um artista que transita por cinema, televisão, literatura, pintura, música e teatro, sempre guiado por um fio único, mas não restrito: humor. Como ele próprio explica, através da metáfora, são os cinco dedos de uma mão. Sua faceta musical, no entanto, não é tão conhecida, especialmente como cantor. No programa de entrevistas que apresenta há décadas, invariavelmente Jô Soares dá as famosas “canjas” ao lado do “Sexteto”, com quem até já gravou disco. Mas antes disso Jô Soares já apresentava as suas “cantadas”, é o que vamos revelar através de 5 músicas.

Brasil, o país dos ditados

“tudo dito,
nada feito,
fito e deito” Paulo Leminski

Tarsila-do-Amaral-a-Cuca

A origem para a profusão de ditados entre os brasileiros tem uma explicação convincente no processo de colonização do país. Como os escravos não podiam se comunicar abertamente, estabeleceram uma linguagem codificada. A semelhança com a poesia, nesse aspecto, dá a medida exata do por que uma nação mestiça, influenciada pela cultura de portugueses, italianos, holandeses, japoneses, africanos, e outros mais, concebeu expressão tão rica e singular. A música é mais uma prova desse estilo. Por vias do samba, da marchinha, do rock e da vanguarda, e através das décadas de 30, 40, 50, 60, 70, 80, 90, até os dias atuais, o Brasil se estabeleceu como o país dos ditados. Tão populares que alguns já mereceram, inclusive, as páginas de dicionários.

Centenários 2015: Édith Piaf, o canto que aplacou as dores

“Canto o que vejo mas antes
Canto o que a alma deseja.” Hilda Hilst

edith-piaf

Édith Piaf talvez seja uma das primeiras cantoras a encarnar o ideal do mártir. Não é heresia detectar a sua influência no blues de Billie Holiday, na dor-de-cotovelo de Maysa e na música negra de Amy Winehouse. Com uma vida turbulenta e agitada, essas quatro personalidades jamais dissociaram a música de sua existência. Essa certamente é a maior contribuição de Piaf. A entrega total ao ofício proporcionou interpretações e “Hinos de Amor” que não guardam qualquer semelhança com uma atuação técnica ou cerebral. O coração de Piaf está em todas as letras que canta. Por isso até hoje pulsam suas canções.

Natural de Paris, filha de uma cantora de cabaré e um acrobata de rua, a pequenina Édith foi deixada aos supostos cuidados da avó materna, que não se importava com a criança. Mais tarde, levada de volta para a mãe morou em um bordel, onde se amigou das prostitutas que a salvaram de uma cegueira aos 8 anos, com orações no túmulo de Santa Teresinha, de quem Édith se tornou devota por toda a vida. Passou a acompanhar o pai nas ruas de Paris aos 14, onde cantou pela primeira vez em público, mas cansada da exploração e dos maus tratos, também o abandonou. Mãe aos 18, Édith perdeu sua única filha, Marcelle, fruto do relacionamento com o entregador Louis Dupont, que cuidou da criança até a morte, aos 2 anos, vítima de meningite.

8 músicas brasileiras sobre cachorros e gatos

“Devo, outra vez, lembrar-te deste fato:
Um cão é um cão, porém UM GATO É UM GATO.” T. S. Eliot

cachorro

Desde os anos 30 não há uma década na música brasileira que passe sem falar dos nossos bichos de estimação preferidos. O tipo de relação pode variar, mas há sempre um denominar comum a uni-las: o afeto. Se uns ainda reclamam ao serem tratados como cachorros é isso exatamente o que alguns outros querem. De madame, vira-lata, ou sem vergonha, muitos já disseram sobre ser o melhor amigo do homem, ao que Vinicius de Moraes completou: “o uísque é o cachorro engarrafado”. O gato não fica atrás, mesmo esguio e menos sociável está sempre nas rodas de samba, de choro, no rock e na Jovem Guarda a lamentar amores desfeitos. Tornou-se expressão de afeto e do galanteio: “gatinha”. Entre cachorros e gatos sai da tuba a música brasileira!

Análise: B. B. King afirmou a cultura de um povo

“Eu acredito que há um lugar para tocar guitarra. Há um lugar para cantar o blues.” B. B. King

b-b-king

Qualquer modelo para afirmação de uma identidade precisa do seu herói. Nesse caso, o blues norte-americano construiu uma lenda. A diferença entre essas duas facetas é que a primeira parece necessitar de certo caráter artificial, enquanto a segunda é inteiramente popular. Não é novidade que qualquer povo reprimido resiste, sobretudo, através de sua cultura. Por isso a importância da preservação de costumes indígenas e africanos no Brasil. Da capoeira à mandioca existe algo que nos liga diretamente ao blues. De origem negra, como o samba, o ritmo sofreu com a segregação explícita nos Estados Unidos, que motivou a famosa frase de Miles Davis: “Só existe a música erudita europeia, a música popular brasileira e a música negra americana”.

B. B. King, que dizia fazer “uma nota valer por mil” foi a síntese do orgulho negro; nos Estados Unidos, no Brasil, na África e no Oriente. Como todo artista que amplia as conotações políticas, a magia de sua música se estendeu por esse país sem fronteiras: onde a alma e o sentimento residem, na valorização da vida, em que o homem é parte da natureza, não o seu detentor, e convive com a diversidade e a crença na semelhança igualmente. Natural do sul dos Estados Unidos, Riley Ben King perdeu o pai, que fugiu, e a mãe, que morreu, aos 8 anos. Esses acontecimentos típicos nas plantações de algodão da época foram superados quando o garoto recebeu uma guitarra do primo. Longe da fazenda, adotou o codinome pelo qual ficaria conhecido no mundo inteiro.

5 perguntas nunca respondidas por Elke Maravilha

“Mas, ao escrever-lhe, tinha em mente outro homem, um fantasma feito das lembranças mais ardentes, das leituras mais belas, dos desejos mais intensos; e, ao final, ele tornava-se tão verdadeiro e acessível que ela palpitava maravilhada, sem poder, todavia, imaginá-lo claramente, de tanto que ele se perdia, como um deus, sob a abundância de seus atributos. Morava em uma região azulada, onde escadas de seda balançavam-se nas sacadas, sob o sopro das flores, sob o luar. Sentia-o por perto; ele viria e a arrebataria toda em um beijo. A seguir, caía do alto, dilacerada, pois aqueles impulsos de amor vago a cansavam mais do que as grandes devassidões.” Gustave Flaubert

Elke-Maravilha

Elke Maravilha é uma das mais exóticas e pitorescas personalidades do cenário brasileiro, basta olhar o número de vezes em que interpretou a si mesma em novelas, cinemas e seriados para constatar essa afirmação. Elke é, em si, a sua própria personagem. Natural da Rússia, despatriada no país de origem e cassada no Brasil, onde veio para morar e combateu a ditadura, Elke adotou a nacionalidade alemã. Como cantora é capaz de interpretar em seu primeiro idioma, o russo, mas também em português e alemão, indo de peças bávaras a xotes do sertão nordestino, em homenagens a Luiz Gonzaga.

Conhecida, sobretudo, como jurada de programas de calouros, onde fez fama junto a um público massificado, Elke começou a carreira como modelo, e o exemplo de beleza grega que ao longo do tempo foi substituído pelo exotismo pode ser conferido em fotografias antigas. Assim, Elke exerce o papel de uma força irreverente, libertária, culta e que ao mesmo tempo despreza todos os pedantismos, lugares comuns e baratos. Em outras palavras Elke conserva aquela qualidade tão cara a todos os artistas, o poder de transformação, a capacidade da contradição, o eterno martírio da dúvida e a busca pelo prazer.

11 músicas brasileiras sobre dinheiro

“E os traidores da linguagem
………n e a malta da imprensa
E os que mentiram por salário;
os corruptos, os corruptores da linguagem
os corruptos que puseram a cobiça no dinheiro
Sobre o prazer dos sentidos;” Ezra Pound

tim-maia-dinheiro

Da permuta ao escambo, do parcelamento ao pagamento à vista, do financiamento coletivo ao crédito sem limites, o assunto dinheiro não passa incólume em vários lares e mesas de botecos. Na música brasileira não é diferente. E essa moeda tem muitas faces. Através do rock, do samba, da marchinha, da tropicália, do samba-rock e da MPB; Caetano Veloso, Cazuza, João Donato, Léo Jaime, Angela Ro Ro, Martinho da Vila, Tim Maia, Paulinho da Viola, Moacyr Franco e muitos outros provam que há certas delícias na vida que não têm preço. Embora alguém sempre pague por elas.

POP-PÓS-ART (COM TOQUES DE SURREALISMO): A NOVA (PÓS) ARTE DA COLAGEM

“Mas é que eu não sabia que se pode tudo!” Clarice Lispector

pop-art

Pop-pós-art não é um movimento, nem alistamento, nem chamada. Até porque essas degenerações já estão passadas. Pop-pós-art pode ser entendida como um novo gênero, ou pra ficar mais bonito ainda, nova arte da colagem.
Sua influenciadora, a pop-art criava leituras novas através da imagem de ícones populares. A pop-pós-art não descarta nem limita populares, eruditos ou celebridades. Cria leituras e imagens novas a partir de frases, citações, textos, poemas, figuras, figurinhas e figurões pop e cult.
A matéria prima do processo é a colagem, que redimensiona o material ao deslocá-lo de seu lugar de origem, criando assim um novo (ou novos) significado (s) para ele.
A idéia da crítica depende do estilo do autor, podendo ser cínica ou feroz. Dessa forma, a utilização das colagens funciona não apenas como crítica àquele que está sendo referido, mas também como homenagem, e mais ainda, como explicitação das referências do autor, mostrando de onde partiu a idéia daquela sentença. (conferindo teor confessional ao gênero)

10 músicas brasileiras para as mães

“minha mãe dizia

– ferve, água!
– frita, ovo!
– pinga, pia!

e tudo obedecia” Paulo Leminski

henfil-mae

Ao contrário do que se costuma dizer de outras espécies, mãe não é tudo igual, e muito menos muda apenas de endereço. Na música brasileira o referido tema já foi tratado de diversas maneiras, do cômico ao dramático, da homenagem à acusação. Até Paulo Francis se intrometeu na história para afirmar que uma das mais célebres composições nacionais estende-se a um número incalculável de seres vivos. Caetano Veloso, Cazuza, Adoniran Barbosa, Chico César, Renato Russo também deram o seu palpite, que invariavelmente ganhou ressonância nas interpretações de Cássia Eller, Ângela Maria, Agnaldo Timóteo, Demônios da Garoa, e outros. Porquê mãe é mãe, inclusive a do juiz.

Centenários 2015: Orlando Silva, o “Cantor das Multidões”, uniu força e suavidade

“Meu coração, não sei por quê
Bate feliz, quando te vê
E os meus olhos ficam sorrindo
E pelas ruas vão te seguindo” Braguinha e Pixinguinha

orlando silva 1953

Ao primeiro olhar Orlando Silva apresenta mais semelhanças do que particularidades. Jovem, sofreu um acidente ao saltar de bonde e teve um pé amputado. As dores insuportáveis só eram curadas com morfina, vício que ao longo da vida substituiu pela cocaína, apontada como uma das responsáveis pela derrocada na carreira de sucessos. O período do auge comercial e de crítica durou relativamente pouco para os padrões da época, de 1936 a 1942. Foi quando registrou músicas até hoje famosas, como “Carinhoso” e “Rosa”, de Pixinguinha com Braguinha e Otávio de Souza, respectivamente, e “Nada além”, de Mário Lago com Custódio Mesquita. Entre outras gravações de impacto, mas que não resistiram ao tempo, destacam-se “Lábios que Beijei” e “Juramento falso”, da dupla J. Cascata e Leonel Azevedo, “Aos pés da cruz”, de Marino Pinto e José Gonçalves”, e “Dama do Cabaré”, de Noel Rosa, entre várias outras.