Entrevista: Carlinhos Vergueiro

“Quando eu passo
Perto das flores
Quase elas dizem assim:
Vai que amanhã enfeitaremos o seu fim” Nelson Cavaquinho

Vida Sonhada

Melodista, letrista e cantor. Compositor parceiro de Vinicius de Moraes, Chico Buarque e Adoniran Barbosa. Dividiu palco com Clementina de Jesus, Paulinho da Viola, João Nogueira. Conheceu aos 16 anos Nelson Cavaquinho, para quem depois produziu e dedicou discos.

Não foi por benevolência ou generosidade que Carlinhos Vergueiro enturmou-se de tanta gente boa do meio musical. Afinal foi ele o vencedor do Festival de Abertura da Rede Globo, com a canção “Como um ladrão”, em 1975.

Entrevista: Marina Lima

“Para se ser um bom filósofo é preciso ser seco, claro, sem ilusões.” Stendhal

Maneira de Ser

Haroldo de Campos, em poema, chama-a de “felina”. Nelson Motta preferiu os adjetivos “arisca” e “arredia” para defini-la. A paixão por cachorros, em especial os três do clã (Carola, Pedro Juca e a saudosa Maroca), coloca-me na cuca uma questão: a convivência plena entre cães e gata é, então, possível?

Descobertas pinçadas com a leitura do livro “Maneira de Ser”, recém-lançado pela editora Língua Geral, em primeira aventurança da compositora por esses mares salgados. A capa, azul, e a arte, minimalista, traduzem esteticamente o oceano largo em conteúdo da entrevistada.

Entrevista: Mônica Salmaso + Juarez Moreira + Pedro de Moraes

“A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida.” Vinicius de Moraes

Alma Lírica Brasileira

Vinicius de Moraes chamava a todos por diminutivos, como prova de seu imenso carinho. O “poetinha”, como ficou conhecido entre os mais íntimos, e depois o Brasil inteiro, por conta dessa carinhosa mania, terá o centenário celebrado em 2013, mas as comemorações já começaram. Na capital, uma exposição na Galeria Murilo Castro, idealizada pelo filho do compositor, poeta e diplomata, Pedro de Moraes, fica em cartaz até o dia 21 de dezembro.

FOTOS
Intitulada “Os amigos do meu pai”,  a exposição abre ao público um pouco da intimidade de Vinicius, através das lentes do filho, ao mostrá-lo ao lado de grandes e célebres ‘compadres’, como Chico Buarque, Caetano Veloso, Pixinguinha, Baden Powell, Nara Leão, Maria Bethânia, Ismael Silva, Cartola, e outros.

Entrevista: Marisa Monte

“e soaram no cristal dos mares
lábios azuis de outras sereias.” Cecília Meireles

O Que Você Quer Saber De Verdade

O furor provocado pela vinda da cantora Marisa Monte a Belo Horizonte pode ser percebido pela necessidade de se abrirem quatro sessões, nos dias 22, 23, 24 e 25 de novembro (todas com ingressos esgotados, esta última extra), para a apresentação da turnê “Verdade, uma ilusão” no Grande Teatro do Palácio das Artes.

A respeito do título da empreitada, a compositora admite que ele “propositadamente desmente o nome do disco (‘O Que Você Quer Saber de Verdade’), por este ser muito assertivo, resolvemos propor essa contradição, pois ela (a verdade) só existe quando não tem ninguém vendo, no íntimo. Se tiver alguém olhando, passa a ser versão” brinca.

Entrevista: Terence Machado (Alto-Falante)

“Vaguearemos sonhando com a América perdida do amor, passando pelos automóveis azuis nas vias expressas, voltando para nosso silencioso chalé?” Allen Ginsberg

Alto-Falante

O programa Alto-Falante, comandado pelo apresentador, jornalista e músico nas horas nem tão vagas assim, Terence Machado, completa 15 anos no ar pela Rede Minas e transmissão em âmbito nacional através da TV Brasil, com o lançamento de seu primeiro DVD, em evento realizado no dia 25 deste mês.

Depois de tanto tempo divulgando a música independente no estado, Terence diz que a principal diferença entre 1997 e 2012 é que “ainda vivíamos o auge da indústria fonográfica e sem avanços tecnológicos tão rápidos e circulação de informação instantânea via internet.” Além disso, o processo era mais lento, caro, e penoso, no sentido do alcance em menor escala.

Entrevista: Cantadores (Saulo Laranjeira, Xangai, Chico César, Elomar)

“Ouvi na viola de pastores
Bardos sonhadores que arrebanham estrelas” Elomar

Elomar não dá entrevista. Chico César, atarefado com as obrigações da secretaria de Cultura da Paraíba, está indisponível. Xangai e Saulo Laranjeira, então, tomam os préstimos de representar os ausentes e traçam as linhas e sons do que será a apresentação dos “Cantadores”, no Sesc Palladium, dia 17 de novembro, em concerto arquitetado com a direção musical do violonista e maestro João Omar de Carvalho Mello, também presente no espetáculo.

COMPROMISSO
Baiano como Elomar e ainda “com um grau de parentesco”, Xangai diz-se conhecedor da linguagem do companheiro de palco e vida, como “um habitante da Gruta de Maquiné ou Curvelo entende Guimarães Rosa“, compara.

Entrevista: Maria Alcina

“O riso magnífico é um trecho dessa música desvairada.” Cecília Meireles

Confete e serpetina

A verdade é que eles não sabiam se era homem ou mulher. Todos: jurados, público, entusiastas, críticos assustaram-se. Para alguns foi espanto de encantamento, outros de temor e repreensão. Há 40 anos, portanto no auge da ditadura militar que se estendeu no Brasil de 1964 a 1985. “Ser alegre contrastava com a situação do país.”

Um fio de corpo tremelicando no compasso da grave voz entoava “Fio Maravilha” – depois proibido o nome pelo próprio homenageado, transformado em “Filho Maravilha” – de Jorge Benjor, no Festival Internacional da Canção, de 1972. Gritos miseráveis escoavam das arquibancadas lotadas do estádio Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, de tanto era o descontrole que urros elogiosos poderiam facilmente confundir-se em apupos grossos. “Fui perseguida por comportamento, o país vivia uma outra situação física e emocional.”

Entrevista: Otto

“O que se percebe não é nada, comparado com o que se imagina” Bachelard

The Moon 1111

Embora o homem tenha pisado na lua há mais de 40 anos, o acontecimento ainda é visto como futurista. As praças do planeta Terra se preparem. Elas serão invadidas pelo som alucinante e maciço do cantor, compositor e percussionista Otto no dia 11 deste mês.

Exatamente três anos se passaram desde que o filho de Pernambuco, “natural do Agreste, em Belo Jardim”, como ele mesmo diz, acordou de sonhos intranquilos (‘Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos’, álbum lançado em 2009) ocultos na lente do escritor austro-húngaro Franz Kafka para emergir a bordo duma temperatura capaz de queimar livros, a Fahrenheit 451, “em direção ao futuro”, afirma.

Entrevista: Nando Reis

“O entusiasmo como profissão é a mais nauseante das insinceridades.” Cesare Pavese

Bailão do Ruivão

Nando Reis nunca escondeu do público, mesmo por debaixo de sua barba ruiva, a preferência por um mundo pop. Até nas canções dos tempos de “Titãs” é possível perceber que ele era de longe o menos punk e mais afeito a românticas interações entre os da trupe. E eram nove, um número nada inexpressivo para uma banda de rock.

O novo álbum do cantor, intitulado “Sei”, uma das canções inéditas e mote da apresentação em 23 deste mês no Chevrolet Hall, terá o acompanhamento do grupo “Os Infernais” e desfilará toda a ânsia amorosa que pauta o trabalho composto por 15 faixas, um número fora do comum para os padrões da indústria. “Entendo o amor como o principal motor da humanidade, no sentido de me perceber inserido e envolvido numa sociedade onde não existo sem o outro”, afiança Nando.

Entrevista: Alceu Valença & Maestro Rodrigo Toffolo

“O sol derretera o asfalto. Os pés enterravam-se nele, deixando aberta sua polpa luzidia.” Albert Camus

Valencianas Orquestra Ouro Preto

Alceu Valença está com passagem comprada para Belo Horizonte e não pretende ficar pouco tempo na capital. Pelo menos é o que indicam as apresentações marcadas, para o dia 3 de novembro com a Orquestra Ouro Preto no Palácio das Artes (gravação do DVD “Valencianas”) e em espetáculo solo como uma das atrações do “BH Music Station”, dia 17 de novembro, com repertório em homenagem a Luiz Gonzaga, na estação Vilarinho.

A respeito do primeiro evento, Alceu comenta sobre a parceria que levou os frevos e forrós cantados nos carnavais para o ambiente orquestral: “Fiquei muito emocionado com o tratamento que o maestro Rodrigo Toffolo e o arranjador Mateus Freire deram às minhas músicas. São jovens virtuosos com um carinho muito especial pela música de concerto, mas também pela música popular brasileira”, declara.