Show: Aline Calixto

Cantora apresenta mistura de músicas dos dois álbuns lançados

Show UFMG

No centro do furacão: uma flor. Morena, cacheados cabelos negros brada branda: sou negona, branca, samba. Aline Calixto pisa de sandália o picadeiro armado na Universidade Federal de Minas Gerais para contar a própria história. Contar? Não. Professora de mão cheia adverte, diverte: Canta. Tem uma voz que impressiona. Martinho da Vila põe na panela a gemada carioca.

Convicta cadência crava no mar de estrelas homenagens a Oxossi e Iemanjá. Lavradas na Bahia de Roque Ferreira e nos pergaminhos de Rodrigo Santiago e Douglas Couto, entusiasmam. Desinibida desenvoltura hipnotiza e arremata o público: “E lá fui eu, pro caldeirão, e lá fui eu…todo enfeitiçado pro seu coração!”. Pérola mineral do compositor Affonsinho.

Literatura: O Retrato de Dorian Gray

Obra atemporal de Oscar Wilde põe em debate a busca da beleza

Literatura

O Retrato de Dorian Gray, publicado em 1891, é o único romance da obra do escritor irlandês Oscar Wilde, que viveu de 1854 até 1900, e tornou-se um dos mais célebres de todos os tempos.Descrito como um “dos clássicos modernos da Literatura Ocidental”, foi classificado pela BBC como 118 na lista dos 200 romances mais populares.

A história, situada na Inglaterra aristocrática do século XIX, gira em torno de um jovem que apaixona-se por sua própria imagem ao vê-la pintada em um quadro, (reproduzindo em águas novas o mito de Narciso) e faz um pedido para que não envelheça jamais, pois com o tempo perderia a beleza estonteante de seus traços. O suspense sobre seu fim começa quando estranhamente o pedido é atendido.

Chico Science (Mangue Beat)

Mangue Beat

Caranguejo mola nas patas. Ciência na astrologia. Arte de Chico. Brasil de Francisco. Rios e dunas e santos. Bomba histriônica. História atômica. Maracatu cá tu ma ar. Mangues e circos e dardos lançados nas lamas do caos.

Jorge Mautner & Gilberto Gil. Tropical rock de Cássia Eller. Percussão e toda uma Nação de Zumbi dos palmares, palmeiras, palmas palestra dessa cidade que nos resta computadorizada e imune; degradada e convexa.

“No bico do beija-flor, beija-flor, beija-flor
Toda fauna-flora grita de amor
Quem segura o porta-estandarte
Tem a arte, tem a arte
E aqui passa com raça eletrônico maracatu atômico”

João Gordo (Punk)

Ratos de Porão

Rato de porão, vômito verme varizes. No ano da ditadura militar brasileira, num dia 13 caveira, macabro, abriu a tampa do esgoto e despencou nesse mundo colhido-calado. Provocou enorme barulho, em vista de seu tamanho desproporcional. Gordo grande grunhindo gritos de guerra poupando refrão.

Cão espumando, chupando manga. Esqueleto de gosma e fúnebre sarcasmo detonou dinamite gargalhou explosão. Cuspe na morte. Quebrar, incompreensível. Descrente desesperança e virulento discurso político.  Cru, agride. Escroto, corvo, massacre. Carnificina, esquizofrenia, saliência. Sexo e bebedeira. Sujo.

Show: Warley Henrique

Cavaquinista mineiro presta homenagem à altura de Waldir Azevedo

Cavaquinho mineiro

Aquecidos os instrumentos, o show começa morno para o que está por vir. Grande atração da noite, o cavaquinista que irá solar Waldir Azevedo é o último a entrar em cena, onde já lhe aguardam os acompanhantes, Gustavo Monteiro no violão, Ricardo Acácio e Robson Batata comandando as percussões.

Ao atacar a primeira leva de músicas no instrumento principal daquela chuvosa confraternização, Warley Henrique não esboça gracejos ou palavras. Somente se entrega ao cavaquinho que a ele pede esmola e recebe de troco notas e mais notas premiadas.

Cinema: A Erva do Rato

Último filme de Julio Bressane impressiona pela beleza incômoda

Júlio Bressane

Júlio Bressane segue fiel à marginalidade. O gosto amargo que amianto seduz em suas películas corre longe do vagão maquinário da indústria. Em direção quase sempre perpendicular e composta por quadros vagos, parados, extrapola uma beleza radiante.

É louvável o modo com que o diretor utiliza de artifícios toscos para gerar sensações de estranhamento. No seu caso a simplicidade roça com a boca aberta a natureza e se orgulha disso. Dando ao espectador prazer indizível.

Roque Ferreira (Samba)

Samba

Quem é o homem por trás da reza dessa menina? Fio aceso navalha convicta no interior da Bahia. Recôncavo revanche às pilastras. O resto é mistério, segredo de quem vem de lá. Não basta dizer é ouvir e avir e iridescente há.

O conluio entre ele, Batatinha, Edil Pacheco, Riachão, Ederaldo Gentil, Nélson Rufino, Walter Lima e Panela. Pois covardemente rasparam o tacho mais gorduroso da música brasileira. E dessa forma, cozeram as suculências que nos legam água na boca.

Show: Arnaldo Antunes & Edgar Scandurra

Brasil aproxima-se da África em projeto inspirado da dupla

Show

Descontraídos e afiados, Arnaldo Antunes e Edgar Scandurra conduzem o mastro do navio que leva o Brasil até Mali. Com a baixa do escriba africano Toumani Diabaté a curva acentuada da cintura que se avista ao longe suspende o movimento por breves momentos, a fé a desembocar ferozmente num açoite intencional.

Percalços sugeridos na travessia pela falta que um homem faz são logo repudiados com doses cavalares de adrenalina imanada por ecos, senhas, guitarra e tambor. O chão do convés é terremoto. As velas aglutinam-se em vulcões. Uma agitada tempestade resoluta abrange o cosmos do Sesc Palladium.

Tetê Espíndola (Cantoras brasileiras)

Cantora

No sul do Mato Grosso do Sul. No alto da primeira altitude, o ato da primeira atitude é desgovernar a revoada. De pássaros no viveiro viveres múltiplos marinheiros. Mar e céu abolem a divisão bojuda intriga dessa terra vã sã.

Se a compreensão humana se acostumou ao peso grave dos palacetes, Tetê Espíndola desafia e afina o instrumento leve. Leve falsete falseando a expectativa? Dum buraco de nozes? Duma toca de lobo? Um tatu acha o rastro, queixa o taco no escuro, e nele arrola.

Show: Wilson Souza

Músico apresentou repertório do novo disco no Conservatório UFMG

Contas a pagar

O desconhecido quase sempre gera desconfiança. Suspeita e medo que logo se desfazem aos primeiros acordes tocados no violão dedilhado por Wilson Souza, catarinense que há três anos trocou os mares do litoral pelas montanhas de Minas. E diz adorar Belo Horizonte, sendo que é possível acreditar pela espontaneidade e ânimo com que conduz o espetáculo.

Primeiro apresenta ‘Mulher’, para em seguida colocar na roda a música que dá nome ao show, a hipnotizante ‘Contas a pagar’, nome espirituoso que justifica a levada apreciada por seu condutor. Interrompendo a parte meramente instrumental, chama ao palco o primeiro convidado.