Show: Quatro na Roda

Quarteto dá show de choros em noite dedicada à Rainha do gênero

Show Chorinho

Ademilde Fonseca parece providencialmente ter encomendado sua partida do grande público no andar de baixo para ouvir lá no alto do andar de cima o quarteto ‘Quatro na Roda’. Se assim, nesses relevos insolentes da Terra o som já soa demasiado agradável, imagine a acústica no céu.

Prefaciados pela contadora de histórias e autora de livros, Beatriz Myrrha, e com produção de Lilian Macedo, os quatro integrantes adentraram o palco com a missão de reabrir a temporada de shows do Projeto Pizindin 2012, desta vez, homenageando todas as formas de choro cantado.

Show: Roberta Sá

Cantora apresenta repertório eclético e misturado

Segunda Pele

Elétrica, a boneca adentra a caixa recortada com papel crepôn e luzes de vaga-lumes. Se ilumina o rosto de louça, branca inocência pintada. Presente de menina larga na mão da infância as lembranças, recolhidas, caladas, catadas com pega-borboleta.

Uma música uma musa dividida divina em poses, ledos enganos brilhando as pérolas do vestido sensual. Na pele que despista a veste despe a nudez escondida (quase sempre). Pernas põem o lado de dentro de lado o fora de lodo no calo. Sobe um salto peremptório.

Cinema: A Retomada

Movimento que retomou o cinema nacional teve Fernanda Montenegro

A Retomada Cinema Nacional

Da mesma forma que Carlota Joaquina não queria aportar no Brazil, ninguém queria ter o cinema brasileiro nos braços no final do governo Collor, em 1992, maltrapilho e mal tratado. Mas assim como a princesa casou-se obrigada com Dom João VI e tornou-se “Princesa do Brazil”, o cinema brasileiro deu mostras de poder deslanchar apesar das inúmeras barreiras que lhe dificultavam a vida. Com a queda do “Presidente Mauricinho” (na música de Lobão) por via dos caras pintadas que invadiam a avenida, Itamar Franco assumiu a presidência do país e deu o aval para que projetos que incentivassem a produção de conteúdo e imagem na telona voltassem com todo vigor. Ou nem tanto, o início foi claudicante, e há quem afirme que ainda seja. Mas é inegável a qualidade técnica que o cinema brasileiro alcançou a partir da criação da Globo Filmes, com todo o padrão de qualidade da monopolista emissora televisiva.

Artes Plásticas: Camille Claudel

“Dôo-me até onde penso,
E a dor é já de pensar,
Órfão de um sonho suspenso
Pela maré a vazar…” Fernando Pessoa

Escultura Valsa

A onda traz até mim um cachorro. Tem olhos cor de rosa, língua pra fora a singrar os mares. Não vai haver facilidades, encontro-me num parto complicado. Anestesia não esconde a culpa de parir o que sou e não veio, nem existe na rede nem espada em riste. Pescadores jogam promessas.

Vago. Levanto-me. Mistério das missas. Miríades dos rejeitados. Erguido da rocha de sais. Sou eu a escultura de Camille Claudel. Perdão ou cura no papel, assinada pelo médico com broca. Hospício de minhas loucuras. Sanidade das minhas mártires. Erro e crio o novo. Procrio gazela no cio da mata come-me fogo, argila-lama, mata.

Dança: Valsa

Tradição européia introduziu-se ao Brasil por meio da Corte Portuguesa

Dança

Em 1808, junto com a Corte Portuguesa, chegava ao Brasil um gênero musical que transformaria toda a história das composições românticas feitas no país: a valsa.

De caráter inicialmente apenas instrumental e executada por grandes orquestras, a valsa era dançada e apreciada pela nobreza nos luxuosos salões imperiais da época, tendo inclusive Dom Pedro I como um de seus compositores.

Braguinha (Marchinha)

Marchinha de carnaval

Dono de um dos mais vastos e ricos repertórios da música brasileira, Braguinha jamais aprendeu a tocar um instrumento musical, compondo suas músicas através de uma das formas mais antigas que existem, e que desde criança se aprende, o assovio. Como se fosse um passarinho, um João de barro a construir sua casinha, Braguinha se embrenhava por entre os caminhos do carnaval, do samba-canção e da música infantil dando a medida exata ao chão e às paredes melódicas que construía. Tendo estudado arquitetura na Escola Nacional de Belas Artes, Braguinha logo se consagraria pela música, mas não abandonaria nunca a condição de arquiteto da melodia, sutilmente calculada em seus assovios que criavam personagens como a Chiquita Bacana, o Pirata da Perna de Pau, os heróis e vilões das histórias infantis e as traduções tão deliciosamente brasileiras que ele fazia para os desenhos da Disney.

Eu sou o pirata da perna de pau
Do olho de vidro, da cara de mau”

Teatro: Rádio Nacional

Boas atuações e direção musical sublimam essência do espetáculo

Teatro brasileiro

Simples como um cisne nada n’água. Direto como uma flecha voa do arco. Com ótima atuação dos atores e boa história de fundo interligando os números principais, ‘Rádio Nacional’ prende a atenção do espectador quase integralmente.

Com direção dividia entre artística, musical e de vídeo por Fábio Pilar, Helvius Vilela e Vicente Maués respectivamente, e supervisão geral de Bibi Ferreira, o espetáculo aposta as fichas do Cassino da Urca nas excelentes músicas da época e no humor temporal (e ganha).

Zizi Possi (Cantoras brasileiras)

Per Amore

É um bem que Zizi Possi faz à música, o simples fato de cantar. Não obstante, versátil como uma parreira que dá cacho de uva preta ao dia e uva verde à noite, aproveita para alongar dialetos com rara ginástica e completo envolvimento. Italiano, inglês, português, no mínimo.

Maria Izildinha, nada pequena no papel que ocupa dentro do teatro brasileiro de música e poesia, começou a carreira novinha, e ocupou-se do estudo de piano dos cinco aos 17 anos. Depois, uma importantíssima tarefa, voltou-se para Salvador, na Bahia, onde ensinou o que já sabia para filhos de prostitutas e crianças abandonadas na rua no bairro do Pelourinho.