Leny Eversong (Cantoras brasileiras)

“E, por mais que procure até que adoeça,
Já não encontro a mola pra adaptar-me.” Fernando Pessoa [Álvaro de Campos]

cantora brasileira Leny

Na primeira quarta-feira do mês de agosto desse ano, a cantora Leny Eversong, dona de uma das mais potentes vozes que o Brasil já teve, teria completado 90 anos de idade. Leny, que nasceu Hilda Campos Soares da Silva, começou a carreira aos 12 anos, cantando no programa “A Hora Infantil”, na Rádio Clube de Santos, cidade onde nasceu.

Demonstrando desde o início seu enorme talento para interpretar foxes estrangeiros, Leny logo passou a ser chamada de Hildinha, a “Princesa do Fox”. Pouco tempo depois, ela deixaria para trás o nome em português, mas não abandonaria as canções estrangeiras, passando a se especializar também em outros ritmos, como jazz, bolero e blues. Ela, que não falava nada em inglês, anotava na mão a pronúncia das palavras e era proibida por seu empresário de dar entrevistas fora do Brasil, arriscando no máximo alguns “all right´s” e “ok´s”.

Cazuza: Renascer em Copacabana

“A vida é bela e cruel
Despida
Tão desprevenida e exata
Que um dia acaba” Cazuza

Ao Vivo em Copacabana

Posto nas lojas em julho de 2009 o CD e DVD “Tributo a Cazuza – ao vivo na praia de Copacabana”, é o registro do show realizado em 2008, ano da celebração de 50 anos de vida do poeta caso ele não tivesse morrido em 1990, aos 32 anos.

Vários tributos pontuaram a carreira do cantor, e um dos diferenciais deste é justamente o fato de ter sido realizado na praia, dos locais preferidos e mais frequentados por Cazuza.

Televisão: Marcos Paulo

“É terrivelmente triste que o talento dure mais do que a beleza” Oscar Wilde

Diretor de "Roque Santeiro"

Existe essa certa lenda de que ser galã atrapalha, ser galã incomoda, ser galã relega aos atores sempre os mesmos papéis. Bem da verdade, ser galã trará problemas se esta for a única qualificação do currículo.

Não era o caso de Marcos Paulo, além de bom ator, midiático, dominava os redemoinhos e entremeios das comédias românticas brasileiras, comumente denominadas novelas.

Entrevista: Maria Alcina

“O riso magnífico é um trecho dessa música desvairada.” Cecília Meireles

Confete e serpetina

A verdade é que eles não sabiam se era homem ou mulher. Todos: jurados, público, entusiastas, críticos assustaram-se. Para alguns foi espanto de encantamento, outros de temor e repreensão. Há 40 anos, portanto no auge da ditadura militar que se estendeu no Brasil de 1964 a 1985. “Ser alegre contrastava com a situação do país.”

Um fio de corpo tremelicando no compasso da grave voz entoava “Fio Maravilha” – depois proibido o nome pelo próprio homenageado, transformado em “Filho Maravilha” – de Jorge Benjor, no Festival Internacional da Canção, de 1972. Gritos miseráveis escoavam das arquibancadas lotadas do estádio Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, de tanto era o descontrole que urros elogiosos poderiam facilmente confundir-se em apupos grossos. “Fui perseguida por comportamento, o país vivia uma outra situação física e emocional.”

Literatura: Torquato Neto

“e deu-se que um dia eu o matei, por merecimento.
sou um homem desesperado andando à margem do rio parnaíba.” Torquato Neto

Soy loco por ti América

Muita gente não entende ainda que a canção “Cajuína” é uma homenagem do poeta Caetano Veloso a outro poeta, Torquato Neto, natural de Teresina, no Piauí, morto aos 28 anos, na capital Rio de Janeiro, um dia após aniversariar, por suicídio.

Poeta porque Caetano Veloso, em especial nessa música, exprime uma veia lírica e doída, dessas que sangram indolentemente.

Paulinho da Viola (Cantores brasileiros)

“Este pobre navegante, meu coração amante
Enfrentou a tempestade
No mar da paixão e da loucura
Fruto da minha aventura
Em busca da felicidade” Paulinho da Viola

Foi um rio que passou em minha vida

Batatinha, sambista baiano autor de escassos sucessos, sem com isso perderem relevância, condecorava com honra e merecimento Paulo César Batista Faria o Ministro do Samba, na música “Ministério do Samba”.

Não por acaso diagnosticava-o vindo de linhagem nobre, filho de César Faria, lendário violonista do conjunto de choro Época de Ouro, idealizado por Jacob do Bandolim.

Roberto Carlos – Esse Cara Sou Eu & Furdúncio

“Só não é dele a tua tristeza, ó minha triste amiga!
Porque ele não a quer.” Manuel Bandeira

Esse Cara Sou Eu

Roberto Carlos, Rei das românticas e da Jovem Guarda, volta a compor músicas novas. Espere aí, devagar com o andor que o santo é, esbarro… Talvez o plural dispense a realidade.

Novas? Sim, do ponto de vista conceitual, as músicas são novas, pois embaladas por ineditismo de palavras naquelas circunstâncias, título e notas. Mas se prestarmos atenção ao essencial, a estrutura é exatamente a mesma de repetíveis primaveras a cantada do Rei em “Esse Cara Sou Eu”, divulgada em larga escala através de “Salve, Jorge”, novela das nove da Rede Globo com autoria de Glória Perez.

Teatro: Suellen Ogando

“Declina o sol,
Levita a d’alva;
Silentes os pássaros
Nos ninhos,
Busco o meu.
E a lua em flor
No alto zênite,
Se assenta
E sorri na noite.” William Blake

Suellen Ogando, talvez você nunca tenha ouvido falar nesse nome, admito o desconhecimento, afinal evidências nem sempre associam fielmente a balança. É que o teatro, e o de Belo Horizonte, não é contemplado com tantos olhos quanto os para os televisores.

Sem afeição de caso ou demérito contrário, todos buscam lugar ao sol, e a peneira é grande, gorda, rechonchuda, quase nunca justa. Porque os que estão no alto, vítimas dos aplausos, não lhes tiro os elogios nem lego culpa. Apenas quero falar de Suellen Ogando.

Entrevista: Otto

“O que se percebe não é nada, comparado com o que se imagina” Bachelard

The Moon 1111

Embora o homem tenha pisado na lua há mais de 40 anos, o acontecimento ainda é visto como futurista. As praças do planeta Terra se preparem. Elas serão invadidas pelo som alucinante e maciço do cantor, compositor e percussionista Otto no dia 11 deste mês.

Exatamente três anos se passaram desde que o filho de Pernambuco, “natural do Agreste, em Belo Jardim”, como ele mesmo diz, acordou de sonhos intranquilos (‘Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos’, álbum lançado em 2009) ocultos na lente do escritor austro-húngaro Franz Kafka para emergir a bordo duma temperatura capaz de queimar livros, a Fahrenheit 451, “em direção ao futuro”, afirma.

Carmélia Alves (Cantoras brasileiras)

“Procuremos somente a Beleza, que a vida
É um punhado infantil de areia ressequida.
Um som d’água ou de bronze e uma sombra que passa…” Eugénio de Castro

Rainha do Baião

Por ser carioca, Carmélia Alves, uma menina criada em Petrópolis, no interior do estado, apareceu para os holofotes da Rádio Nacional, a mais famosa da década de 40, onde conseguira contrato, cantando sambas e imitando Carmen Miranda.

Sinceramente, o sucesso foi escasso. Não que o repertório fosse fraco, nem que Carmélia Alves não possuísse traquejo, talento, faro. Bem, talvez desse último pudéssemos considerá-lo, em parte.