O homem que foi quase comido por um jacaré

“Mas sempre se encontra um círculo de pessoas para quem se tornam importantes as coisas que aos olhos dos outros são desimportantes.” Gógol

Há pessoas que são mesmo estranhas. Hickens disse que estava bem, mas o fato é que, dois segundos depois, caiu desfalecido na grama. Foi um tanto custoso tirá-lo de lá porque além do desespero e do pânico que tomou conta de todos, o sujeito ainda pesava umas boas toneladas. Não impressionava que Hickens estivesse constantemente se queixando de dores no estômago. O café da manhã do homem era um espetáculo para se ver de perto, preparado por sua esposa mais do que dedicada, que alguns acusavam de ser submissa com olhares reprovadores ou mesmo comentários sem a menor intenção de discrição, como era o caso de Elaine, que perguntava para todo mundo ouvir como era ter trocado uma mãe por outra quando ela chegava a tempo de conferir o desjejum do glutão, feito de ovos mexidos, bacon, dois a três pedaços de pão com manteiga, cereais e bananas mergulhados no leite, suco de melancia, quatro generosas fatias de bolo cujo sabor variava entre coco, chocolate com cenoura e formigueiro, uma broa de fubá, uma fatia de mamão, duas de melão e algumas rapaduras para terminar de embrulhar o estômago de quem assistia tudo aquilo, que serviam de desculpa para o sujeito enfiar ainda mais duas xícaras de café goela abaixo. Hickens tinha um certo deslumbramento com o modo de vida norte-americano, talvez pelo próprio nome que carregava. Mas Elaine, amiga de infância da esposa de Hickens que jamais se casara e que exibia uma certa altivez da solidão que aos poucos deixa as pessoas circunspectas nelas mesmas, não estava presente no dia do fatídico acidente.