Crítica: musical “Elza” celebra presente político, musical e humano

“Vagueia, devaneia
Já apanhou à beça
Mas pra quem sabe olhar
A flor também é ferida aberta
E não se vê chorar” Chico Buarque

A voz do milênio segundo a BBC de Londres não saiu pela tangente, com uma daquelas respostas burocráticas, quando questionada pelo apresentador Antônio Abujamra no programa “Provocações” (em 2010) sobre o que seria caso não fosse cantora. “Prostituta”, respondeu Elza Soares. O episódio não é abordado no musical “Elza”, mas a força desse gesto é o que rege a dramaturgia desse inquestionável sucesso de público. Pobreza, miséria, fome e luto foram palavras que atravessaram mais de uma vez o caminho da intérprete de timbre único, capaz de arrancar sons da garganta com uma técnica que, segundo ela, teria sido imitada por Louis Armstrong, numa das boas sacadas cômicas da peça. Aliás, o humor também é usado para explicar a voz de Elza. Pois, para além de vividos, os dramas, quando surgem, são todos enfrentados.