60 anos da Bossa Nova: 18 músicas e discos inesquecíveis do gênero

“No vosso rastro persiste/ o mesmo eterno poeta
Um poeta – essa coisa triste/ escravizada à beleza
que em vosso rastro persiste,/ levando a sua tristeza
no quadro da bicicleta.” Vinicius de Moraes

Tiete, o rapaz não titubeou ao avistar o poeta: o chamou de mestre, pediu um autógrafo e guardou a preciosidade num envelope pardo. Poucas horas depois, assim que chegou aos estúdios da gravadora Odeon, no Rio de Janeiro, largou displicentemente a assinatura de Carlos Drummond de Andrade em um canto qualquer, e nunca mais a avistou, tampouco se preocupou com o fato. A história é contada pelo músico mineiro Pacífico Mascarenhas, 83, que participou do episódio, e traz como personagem principal João Gilberto, 87, o inventor da batida de violão e voz diminuta que assombrou o país quando lançou, no dia 10 de julho de 1958, o compacto que trazia, de um lado, “Chega de Saudade” (Tom Jobim e Vinicius de Moraes) e, do outro, “Bim Bom”, de sua autoria. De lá para cá, a Bossa Nova manteve, ao longo desses 60 anos, o título de nobreza e a pompa de modernidade, com o aval de músicos internacionais e a reverência dos que vieram depois, ainda que uma renovação, em termos de repertório, não tenha ocorrido.

*DISCOS: