10 discos mais vendidos no Brasil

“A arte é longa e a vida é curta, e devemos ser pacientes, ao mesmo tempo que tentamos vender caro nossas vidas.” Van Gogh

Marília Mendonça é recordista em vendagem de discos

A matemática é simples: os discos físicos sofreram uma queda de 43% em relação ao ano anterior, enquanto as plataformas digitais tiveram aumento de 52%. Os dados divulgados pela associação que representa as principais gravadoras do país, conhecida como Pró-Música Brasil, vieram à tona no final de 2017, e analisam números de 2015 e 2016. “Sim, dona lógica, a alma também precisa de um pouco de ar” é uma frase do poeta Mario Quintana que talvez explique porque em arte, às vezes, “dois e dois são cinco”, versos de Caetano Veloso feitos para o rei Roberto Carlos cantar nos idos anos de 1971.

Afinal de contas, apesar de todos os avanços na tecnologia para baixar e consumir música sem precisar do aparelho ou suporte físico, artistas de diferentes estilos e adesão junto ao mercado fonográfico continuam lançando trabalhos ainda através de CD, LP, DVD e afins. A constatação engloba tanto uma geração que se acostumou a isso, casos de Martinho da Vila, Maria Bethânia, Gal Costa, Chico Buarque e outros, quanto os representantes mais estourados no mercado pop, cuja velocidade de rotação é cada vez mais acelerada. Isso sem mencionar os ilustres desconhecidos da brava seara independente.