O chocalho da cobra

“Um poema que não te ajude a viver e não saiba preparar-te para a morte não tem sentido: é um pobre chocalho de palavras!” Mario Quintana

O chocalho da cobra prepara seu bote

O escritor irlandês Oscar Wilde (1854 – 1900) afirma que “nada é tão perigoso como ser moderna demais. Fica-se com uma tendência a virar antiquada de repente”. Por outro lado existe uma piada produzida para a televisão baseada em séculos tão passados que o protagonista garante que nada substitui o texto escrito sobre a pedra, pelo valor de toque e materialidade que essa experiência proporciona, até que ela cai e se espatifa no chão. Há ainda definições que um dia me vieram como forma de poesia livre: À frente do seu tempo é um homem ansioso. Um homem do seu tempo é um sujeito conformado. Um homem do passado, esse sim, é um clássico.

O caráter provocativo dos três exemplos serve para relativizar a discussão em torno dos suportes e determinar o quanto temporalmente as inovações tendem a uma natureza cíclica. Essa não reverência ao novo simplesmente por esse aspecto é o que pode levar a uma relação de profundidade com as tecnologias que se insurgem, mais destacadamente o virtual, cuja dimensão de fronteira entre definições limítrofes traz à tona outra máxima poética valorosa, desta feita do poeta gaúcho Mario Quintana (1906 – 1994): “o fato é um aspecto secundário da realidade”. O que significa aqui interpretar que a PRESENÇA do VIRTUAL é hoje, ironicamente, irrefutável.