Análise: Chuck Berry levou para sua música o culto à personalidade

“Por minha missão mais tarde – promessa de iluminar a humanidade – isto é, soltar partículas – (louco como você) – (sanidade um truque convencional)” Allen Ginsberg

Chuck Berry foi um dos pioneiros do rock

O pai do rock nacional afirmava em 1989 que nunca vira “Beethoven fazer aquilo que Chuck Berry faz”. A referência era explícita por parte de Raul Seixas (em parceria com Marcelo Nova) àquele considerado por muitos como “pai do rock mundial”, embora nem um, nem o outro, tenha assimilado o epíteto com orgulho. Berry era a alma do rock’n’roll, o que facilmente se percebia nesse sucesso de 1956 que Raul usava de fundo para sua canção em reverência ao estilo. Além do deboche, a rebeldia juvenil – que não segurava palavras para dizer que o pai da música clássica devia rolar no túmulo ao ouvir as guitarras e aventuras da geração do Pós-Guerra americano – Berry introduziu uma maneira bastante própria de se portar no palco e, consequentemente, interpretar suas músicas, o que, é bem provável, contribuiu para o culto à sua personalidade marcada por exotismos e confusões de toda ordem ética e legal.