Análise: 30 anos da morte de Andrei Tarkovsky, cineasta do tempo

“Você olha um relógio. Ele funciona, mostra as horas. Você tenta compreender como ele funciona e o desmonta. Ele não anda mais. E no entanto essa é a única maneira de compreender…” Andrei Tarkovsky

Tarkovsky é um dos maiores cineastas da Rússia

Há pessoas que morrem para tornarem-se eternas, e há outras que nascem para isso. Andrei Tarkovsky viveu somente 54 anos, o suficiente para determinar-se como um dos mais relevantes cineastas já surgidos na Terra. Natural de uma aldeia do interior da Rússia, sua morte precoce, em Paris, é, até hoje, cercada de controvérsias, tendo-se atribuído o câncer que ele, sua esposa, e o ator principal do filme, Anatoli Solonitsyn desenvolveram a uma contaminação química adquirida nos locais de gravação do longa-metragem “Stalker”, um dos mais enigmáticos do diretor. Aliás, a película é exemplar no que tange às características preponderantes do cinema de Andrei. A capacidade para realizar através de imagens pensamentos críticos e complexos, permeados por uma adesão poética do espaço sem, com isto, anular aspectos inerentes a condições por definição matemáticas, e que buscam explicar a nossa existência, como expressões da física e das ciências.