Ladainha do amor sem fim

“O que faz de nós o que somos é inatingível e incompreensível. Entregar-se ao amor dá alguma ideia do que é irreconhecível. Nada mais importa no final das contas.” Josephine Hart

Pintura Dois Amigos de Toulouse-Lautrec

A onça escapa ligeira como tua área. O estampido é um tiro de espingarda. O labor das nuvens cor de argila não contém a fúria do animal em perigo. Carente de sangue, fibra, sais minerais, proteína. Meses passam numa tarde, num dia. Revelam os ossos do corpo firme em carne da onça em perigo. O velho osso roído não é cachorro, gato ou passarinho. Uma onça: uma cigana: uma mulher: clandestina. Aonde quer que vá: clandestina. Ágata: uma rouquidão da mudança de tempo ou do cigarro: Maria: barba-ruiva cor da palmeira verde-água: uma vaca malhada: um cavalo: ao longe, salmos: preta e branca masca chiclete, mato, palha: o serro: a serragem: o cerrado. Mimosa cidade.

A bandeira gasta da ruína grega. Quem tem um bem de fato sabe que o tamanho importa pouco, pode ser uma ponta de agulha, uma lembrança, uma ausência: sempre renasce. Apenas um sinal, um presságio. Sabe que eles existem: e estes, sob cortina de fumaça tóxica: nenhuma: tornam-se transparentes. Sob o sol de couro, fibra, fios, tecido, tinta: brutalizam todos os dias: é preciso menos motivos para o lamento cotidiano, mais elementos para a esparsa alegria. Refletidos nos retrovisores, viram a vida passar a meio metro dos calcanhares de Aquiles. O orgulho não é conotação de elogio segundo premissas da boa convivência.