Sonhos de uma tarde de primavera

“Estou sentido o martírio de uma inoportuna sensualidade. De madrugada acordo cheia de frutos. Quem virá colher os frutos de minha vida? Senão tu e eu mesma? Por que é que as coisas um instante antes de acontecerem parecem já ter acontecido? É uma questão da simultaneidade do tempo. E eis que te faço perguntas e muitas estas serão. Porque sou uma pergunta.” Clarice Lispector

Pintura de Anita Malfatti

Uma lua redonda e baixa. Ágata: uma carambola-estrela, flor de maracujá. Uma tartaruga nas pedras. Árido homem fuma um cigarro velho. No amarelo de Van Gogh, gira a roda giratória a velha. Folhas secas caem como borboletas foscas, pardas. Onças, pacas. Escamas azuladas de peixe e penas brancas: de patos: como sonhos humanos: patéticos, e reles. Dois cachorros malhados: um preto e branco: outro marrom caramelo. Vara de marmelo, doce de marmelo. Lerda, letárgica, gotejante: caem sobre as pipas as ceras de colmeias inteiras.

Como se o bicho diferenciasse da teia quando capturado: presa. Perdidinho, pergaminho, fuleiro. Pombas, roliças pombas sem dificuldade roubam o farelo da mão da velha. Na superfície supérflua do nada: a enxada, o capim: o desfecho. Corpos transparentes, alvos, de olhos azuis, cabelos claros, tão claros que parecem sumir no contato com o sol áspero. No mundo só há dois tipos de gente: rico e pobre. Mas o pobre é oitenta por cento, disse mascando chiclete ou palha. Vanessa: com luxo arrasta-pé, rococó, rocambole, caçarola é pudim de pobre.