Análise: Cinema de Abbas Kiarostami investiga as emoções humanas

“Um homem caminha por uma floresta sombria, perigosa, repleta de bestas selvagens. Uma rede circunda toda a floresta. O homem tem medo. Ele corre para fugir das bestas, mas cai num fosso negro como breu. Milagrosamente, ele fica preso por duas grandes raízes. Ele sente o hálito quente de uma enorme cobra que jaz no fundo do fosso, pronta para dar o bote.” Krishna Dvapayana Vyasa

AK-BW-Sholeh-620x348

O mistério se impõe nos filmes de Abbas Kiarostami, embora, até mesmo a sua existência, seja revelada aos poucos. Esse talvez seja o grande trunfo de seu cinema que, sob uma aparente monotonia, aos poucos distende as presilhas de um rigoroso véu submetido também a um rigor estilístico. Há, portanto, duas peças que se movimentam simultaneamente nas películas de Kiarostami, embora pareçam distintas, pois a forma, o estilo, as invenções, rupturas, quebras, que o experimentalismo por vezes radical do cineasta oferece não são nunca enfeites retóricos, mas servem para contar a história ou, ainda, encobrir o mistério que como nos clássicos filmes se revelará no final quando não em doses homeopáticas distribuídas ao longo de seu processo. Tudo a serviço de uma obsessão de Kiarostami, as emoções e os sentimentos da alma humana, tão ou mais misteriosa do que a resposta duma equação desvendada.