Análise: Ettore Scola trouxe cinema de magia e sonho

“O cinema é um espelho pintado.” Ettore Scola

ettore-scola-cinema

Herdeiro do “Neorrealismo Italiano”, Ettore Scola acrescentou a comicidade sem eliminar a tragédia de seus romances. Sim, porque a narrativa do diretor manteve fortes ligações com esse estilo clássico, como o profundo afeto por suas personagens e o idealismo transformado em mágica. De maneira geral, o sonho, a poesia e a ilusão foram o tema central da obra de Scola. Adepto das grandes histórias e de cenários povoados, o cineasta foi mestre em captar o detalhe e tecer, através de uma delicada colcha de retalhos, uma linha harmônica, mas não óbvia, que ao mesmo tempo unia e separava deleites e dificuldades, aproximando o espectador, porém se mantendo no domínio das situações.

Contemporâneo de Pasolini, Godard, Truffaut, Éric Rohmer, Antonioni, Fassbinder e muitos outros, Scola pertenceu, no auge de sua maturidade artística, ao período discriminado por críticos como “Cinema de Autor”, e sem dúvida é possível assimilar sua marca em filmes como o musical “O Baile”, inteiramente mudo, “A Janta”, protagonizado por Fanny Ardant, o épico “Feios, Sujos e Malvados”, que lhe valeu a consagração como melhor diretor em Cannes, e tantos mais. Pois a capacidade em transitar do protagonismo da trilha sonora à de uma atriz, apenas reafirmava seus muitos recursos, voltados para contar uma história, em que a linguagem era auxiliar do conteúdo, e não sua carrasca.