Crítica: exposição “Arte da Nova Berlim” rechaça o consumismo barato

“Não fosse assim, seria essa estátua uma mera
Pedra, um desfigurado mármore, e nem já
Resplandecera mais como pele de fera.
Seus limites não transporia desmedida
Como estrela: pois ali ponto não há
Que não te mire. Força é mudares de vida.” Rilke

EXPOSICAO COLETIVA DE ARTISTAS PLASTICOS DA ALEMANHA NO CCBB

Em cartaz no Centro Cultural Banco do Brasil de Belo Horizonte até 11 de janeiro de 2016, a exposição “Arte da Nova Berlim” apresenta no título palavra alemã que significa “espírito de uma época”. São 29 os artistas do país com obras na mostra que, apesar dessa heterogeneidade é homogênea no discurso que rechaça o consumismo barato de tempos nem tão distantes, mas que já parecem fadados ao fracasso da espécie humana tanto no presente quanto no futuro próximo. As formas e moldes de abarcar essa ideia são múltiplas.

Esse provavelmente é o grande trunfo da exposição, que revela a diversidade e tolerância almejada pelas sociedades mais desenvolvidas em seu aspecto de direitos humanos e sociabilidade. O que é mostrado, em diferentes números, é que sem uma percepção igualitária das relações econômicas, essa perspectiva permanecerá utópica, dando mais combustível e munição para a arte. Num dos trabalhos de maior teor experimental, um vídeo demonstra a performance do artista que, com arco e flecha, caça em supermercados mantimentos como leite em caixa e carne congelada. Uma ironia que não deixa escapar o primitivismo de certas elaborações tidas como evolucionárias.