Dos prazeres mananciais

“mas, tão logo essa palavra ‘amor’ lhe ocorreu, ela a rejeitou, pensando novamente quão obscura era a mente, com suas pouquíssimas palavras para todas essas percepções surpreendentes, essas alternâncias de prazer e dor.” Virginia Woolf

krajcberg

Sentia um prazer quase manancial quando descia as escadas para demitir alguém. No entanto, passam pessoas e não é ela. Através da vitrine a espera torna-se a cada segundo mais insuportável, como a pressão que a corda vai exercendo no pescoço do enforcado à medida que o corpo cede. Imbuído de minha coragem e destituição fui até o jornal pedir meu emprego de volta. Sentia um prazer quase manancial quando descia as escadas para demitir alguém. Era preciso lembrar dessa frase para não ser surpreendido. E não esquecer que na maioria das vezes a presa, seja ela qual for, leva a melhor sobre a onça.

Sentia um prazer quase manancial quando descia as escadas para demitir alguém. No entanto, passam pessoas e não é ela. As pessoas na redação são observadas por mim como manequins em vitrines. Os rostos impávidos, lúbricos, de quem detém o emprego como o vazio da morte, o segredo da morte, e recusa-se a dividi-lo, não quer dividi-lo com mais ninguém. Sem dúvida, sentem-se como deuses por possuírem um emprego e não terem que passar pela humilhação do pedido, que requer coragem e a lembrança de que, seja qual for a presa, na maioria das vezes é ela quem leva a melhor sobre a onça.