Entrevista: O Balanço Diferente de Mario Broder

“‘Tome conta do sentido, e os sons tomarão conta de si mesmos’.” Lewis Carroll

Mario-Broder-diferente

Mario Broder tem o seu trabalho reconhecido como cantor principalmente pelo desempenho à frente do grupo “Farofa Carioca”, mas ele também é ator – interpretou o sambista célebre Wilson Batista na cinebiografia de Noel Rosa dirigida por Ricardo van Steen em 2006 (“Noel – Poeta da Vila”) – e compositor. Lançou, em 2013, o primeiro trabalho solo, “Balanço Diferente”, já disponibilizado no iTunes, em que assina algumas das faixas, como “Navegar”, ao lado de Sandro Márcio, e “Operária brasileira”, cuja parceira é ninguém menos que Elza Soares, que também canta na faixa. “O disco acabou de entrar nos Estados Unidos pelo iTunes”, celebra Mario, que revela o incentivo decisivo do produtor Eduardo Chermont para a concretização do álbum. “Ele foi bastante incisivo ao dizer que estas composições já deveriam ter saído da gaveta há bastante tempo”, orgulha-se.

Composto por onze faixas, o disco de Mario Broder transita por ritmos consagrados e contemporâneos, com a utilização de música eletrônica e instrumentos tradicionais do samba. A alternativa em lançar o trabalho prioritariamente pela plataforma virtual o faz analisar o atual cenário da cultura brasileira. “Eu acredito que seja a grande virada dos artistas que deixaram de depender única e exclusivamente das gravadoras”, analisa, não sem antes considerar esta uma época “bem democrática, com muita gente lançando EP´s e discos na internet”, sublinha. Sobre as suas preferências e o que vê de novo e interessante na atualidade, o entrevistado é enfático. “Muito me interesso pelos artistas independentes, o cenário do Rap nacional está muito estruturado e com bons representantes. No nordeste, por exemplo, tem o Rapadura, que na sua maneira de rimar usa o repente como base. Gosto muito!”, enaltece.