Análise: Lauren Bacall, o brilho do cinema noir

“Se a lua sorrisse, teria a sua cara.
Você também deixa a mesma impressão
De algo lindo, mas aniquilante. (…)
Nela, a boca aberta se lamenta ao mundo; a sua é sincera,
E na primeira chance faz tudo virar pedra.” Sylvia Plath

Lauren Bacall

Quando Lauren Bacall aparece na tela é impossível desviar o olhar. Não por acaso ela se tornou uma atriz muito mais famosa por cenas do que personagens. Algumas antológicas podem ser vistas em “Uma Aventura Na Martinica” e “À Beira do Abismo”, ambos da década de 1940, em que Bacall empresta o magnetismo a aparentes banalidades como acender cigarros e cantar amparada ao piano. O olhar sedutor acompanha toda e qualquer ação.

Não é por acaso que no período áureo da carreira de Lauren ela não tenha se destacado em nenhuma interpretação específica. Estrela da espécie de filmes cujo maior representante segue sendo um de seus maridos, que conheceu nas filmagens, Humphrey Bogart sempre foi aclamado por representar o mesmo personagem – ele próprio – em qualquer película. Com Bacall, nessa época, não foi diferente. E o cinema noir deve ao casal muito de seu melhor brilho.