Waldick Soriano: o homem do povo

“Assim eu quereria o meu último poema
Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas” Manuel Bandeira

Waldick-Soriano-sucessos

O preconceito não é coisa do povo não. Cordial e hospitaleiro com o cachorro e o dono. O povo na verdade gosta de ser feliz. E cantar. É, é isso mesmo. Natural, não é? Querer ser feliz, e cantar, e agradar quem lhe concede essas benesses. Por isso o povo não se furta em estender tapetes que não sejam vermelhos, mas das cores daquela casa, se for a Bahia, cores de orixás, cores do mar, cor de palha do cigarro que cospe a fumaça.

Um cantor é, pois, alegria do povo. Mesmo que eu fale rebuscado e entorte as palavras, eles, que interessam, entenderão o sentido quando o cantor desengaiolar da garganta os pássaros que vivem dentro dela. Imitas Durango Kid, com os óculos escuros e vestimenta preta, sobrevive fora da tela o cinema falado cruel. E Bienvenido Granda, o cubano, é inspiração.