Waldir Azevedo (Chorinho)

“O choro foge sem vestígios,
mas levando náufragos dentro.” Cecília Meireles

Waldir-Azevedo.jpg

Um estribilho é o suficiente para que as pessoas reconheçam “Brasileirinho”. A contadora de histórias Beatriz Myrrha, mineira e apresentadora do “Projeto Pizindim”, lembra que a composição “ocupa o primeiro lugar no ranking dos choros mais conhecidos do mundo”. Escrito em 1949, cuja primeira parte mantém-se, praticamente, em uma corda, é tido como o primeiro de Waldir Azevedo.

Se lhe faltava experiência para inegável feito, a posteridade tratou de garantir ao músico a eternidade devida. Nascido em 27 de janeiro de 1923, completaria, esse ano, 9 décadas de vida. Para Beatriz, a principal contribuição do aniversariante foi “ter dado ao cavaquinho o lugar de destaque no choro, pois até então servia como instrumento de mero acompanhamento”.