Entrevista: Zeca Pagodinho

“O ataque de uma borboleta agrada mais que todos os beijos de um cavalo.” Mario Quintana

Deixa a vida me levar

“Não ouço o que há de pior na música brasileira”, é com estas palavras que Zeca Pagodinho exalta o samba, o pagode, o próprio disco, mote da apresentação no Chevrolet Hall na próxima sexta-feira, 19 de outubro, encerrando a turnê de mais um festivo sucesso da carreira do compositor de Xerém.

Mas Zeca também não se fecha para o que há de novo. “Vida da minha vida” compila antigos êxitos, como a canção “Pôxa”, do pouquíssimo gravado Gilson de Souza, redescoberta por Zeca quando este ouvia a rádio Tupi, do Rio de Janeiro, a inéditas composições, entre elas homenagem ao neto de Pagodinho, intitulada “Orgulho do Vovô”, em parceria com Arlindo Cruz.

Fela Kuti (Afrobeat)

“Podes caminhar na água?
Não fizeste mais do que uma palha
Podes voar no ar?
Não fizeste mais do que um mosquito
Conquista o TEU coração
– E pode ser que te
Tornes alguém” Abdullah Ansari

Fela Day

O homem que se casou com 27 mulheres ao mesmo tempo. O homem morto, vítima da AIDS, aos 58 anos, no longínquo 1997. Afirmações mentirosas. É o que estão dispostos a provar os seus súditos, que se reunirão no Granfinos na noite de quinta-feira para celebrar o carma e os gritos de Fela Kuti, inventor do afrobeat, de fato pantera negra, não gato, pois sete vidas seria uma quantidade insuficiente ante as dificuldades enfrentadas.

Isto porque milhares de corações, abusando do direito de proferir hipérboles, baterão como cônjuges, e ainda mais, amantes do ritmo ilimitado e político do compositor nascido num dia 15 de outubro de 1938, álibi para a proclamação do festejado “Fela Day”.