Teatro: Dona Flor e seus dois maridos

“É doce morrer no mar, nas ondas verdes do mar” Dorival Caymmi

clássico de Jorge Amado

Atrevo-me despudorado à definição fácil e inflamada de personagens criados por Jorge Amado. Insatisfeito com esse texto, sigo, pois ele não alcançará o torcer das emoções, a roupa molhada estendida no varal ao sol, para secar. Ao que o temporal impele o desfeito. E ela segue lá, roupa, molhada, centrífuga, estendida no varal.

Eu estou fraco, tácito. Nunca vi nada que me fragilizasse tanto, abrisse rachaduras e jorrasse sangue dos meus cilindros para todos os lados. Deu vontade de crispar, morrer ali mesmo estendido e debruçado nos braços de Vadinho (Marcelo Faria – o demônio), dona Flor (Fernanda Vasconcellos – a santa) e Doutor Teodoro (Duda Ribeiro – o santo).