Dança: Circo Moscou

“que todo o amor assim como todo o conhecimento é lembrança” Kierkegaard

espetáculo no gelo

Passaram-se dias desde que esmiuçou coração gelado. Duas perninhas desinibidas, assanhadas o suficiente para patinar no gelo, brotaram de dentro mim noite. Rufos nos tambores, palhaços, moedinhas douradas, tudo claro como a luz de Sininho, noite.

Havia uma comoção no ar, gárgulas esperavam na fila, para entrar, aconchegar-se em seu lugar, com a paciência de moscovitas. Acostumados à guerra, ao frio, eles agüentam firmes, duros, gélidos. De dentro de suas bocas um bafo seco conduz sorrisos elétricos ligados na ignição.