Show: Roberta Sá

Cantora apresenta repertório eclético e misturado

Segunda Pele

Elétrica, a boneca adentra a caixa recortada com papel crepôn e luzes de vaga-lumes. Se ilumina o rosto de louça, branca inocência pintada. Presente de menina larga na mão da infância as lembranças, recolhidas, caladas, catadas com pega-borboleta.

Uma música uma musa dividida divina em poses, ledos enganos brilhando as pérolas do vestido sensual. Na pele que despista a veste despe a nudez escondida (quase sempre). Pernas põem o lado de dentro de lado o fora de lodo no calo. Sobe um salto peremptório.

Cinema: A Retomada

Movimento que retomou o cinema nacional teve Fernanda Montenegro

A Retomada Cinema Nacional

Da mesma forma que Carlota Joaquina não queria aportar no Brazil, ninguém queria ter o cinema brasileiro nos braços no final do governo Collor, em 1992, maltrapilho e mal tratado. Mas assim como a princesa casou-se obrigada com Dom João VI e tornou-se “Princesa do Brazil”, o cinema brasileiro deu mostras de poder deslanchar apesar das inúmeras barreiras que lhe dificultavam a vida. Com a queda do “Presidente Mauricinho” (na música de Lobão) por via dos caras pintadas que invadiam a avenida, Itamar Franco assumiu a presidência do país e deu o aval para que projetos que incentivassem a produção de conteúdo e imagem na telona voltassem com todo vigor. Ou nem tanto, o início foi claudicante, e há quem afirme que ainda seja. Mas é inegável a qualidade técnica que o cinema brasileiro alcançou a partir da criação da Globo Filmes, com todo o padrão de qualidade da monopolista emissora televisiva.