Nat King Cole (Jazz)

Jazz

O jazz é dos negros. A igreja dos brancos. Mas e o piano? Com suas teclas misturadas, promove uma interação racial? Afirmações idiotas como as acima apenas servem para reforçar o caráter separatista de algumas imposições. Só que existe um adendo, porém, porquanto.

A Música é universal. E Nat King Cole fez questão de unir em seu canto várias as vertentes. Fossem elas clássicas, gospel, românticas ou castelhanas. Não interessava. Mas somente a semente e sabor do sentimento levado aos ouvidos como a mãe águia solta a comida no céu para que o filho arranque em disparada e capture.

Antônio Maria (Dor de cotovelo)

dor de cotovelo

As noites do Recife refulgem nos galhos das árvores a dor e a saudade. As copas molhadas de orvalho dão sombra aos olhos que choram, choram. Raízes e caules tremem como duas pernas bambas, no suspiro do vento que repele o frevo e amacia as tensões, os nervos. O copo pela metade, acompanhado por um cigarro, transborda a poesia de ‘um homem chamado Maria’, dono de peripécias e impropérios proferidos no Rio de Janeiro, ao lado de gente casta como Vinicius de Moraes, Dorival Caymmi (o baiano, também vizinho), Fernando Lobo (pernambucano) e Abelardo Barbosa (outro conterrâneo, conhecido por Chacrinha). No horizonte da música brasileira, traduziu sementes e flores geradas no esplendor da manhã, fosse ela alegria ou tristeza, carnaval ou dor-de-cotovelo. Fosse Antônio Maria, um sujeito com mais zelo ao corpo, não teria nos deixado tão cedo, talvez nem mesmo deixado canções de alma e coração, que em um descuido de momento levou, mas o tempo semeou e regou.