Centenários 2018: Jacob do Bandolim mudou panorama do instrumento

“Não, arco nenhum há que morda/Meu coração, fiel instrumento,
E faça mais regiamente/Cantar sua mais vibrante corda,
Que tua voz, gato misterioso,/Gato seráfico e estranho,
Em quem tudo é, como em anjo,/Tão sutil, tão harmonioso!” Charles Baudelaire

Jacob do Bandolim é autor de clássicos do choro

A última letra do primeiro nome, embora muda, já prenunciava o início musical do instrumento que ele iria tocar. Hoje, ainda se fala no seu bandolim. Há exatamente 100 anos nascia Jacob Pick Bittencourt, conhecido como Jacob do Bandolim. “Jacob toca Jacob, os outros tocam bandolim”, definiu o arranjador Radamés Gnatalli. Discípulo de Ernesto Nazareth e Pixinguinha, Jacob é, segundo o coro de entendedores do gênero como Sérgio Cabral e Henrique Cazes, “o maior instrumentista que o Brasil já teve”. Suas músicas foram gravadas por Ademilde Fonseca, Elizeth Cardoso, Zimbo Trio e outros artistas de peso. A fim de comemorar a importância da data, o músico Hamilton de Holanda prepara, para o segundo semestre, um box com seis álbuns contendo apenas canções de Jacob.

Na mesma esteira, o conjunto Época de Ouro, idealizado pelo mestre do bandolim, retoma suas atividades em nova formação, agora com a presença do violonista João Camarero. O último disco do grupo foi lançado em 2010. Para completar as festividades, o Instituto Jacob do Bandolim colocou na rede um site dedicado ao compositor (http://www.jacob100.com.br) e planeja realizar oficinas e shows para saudar Jacob. Partituras, fotos e áudios já estão disponíveis no endereço eletrônico. Ao todo, o filho de pai capixaba e mãe polonesa judia criado no bairro de Jacarapeguá, no Rio de Janeiro, lançou 12 discos, participou em outros três, recebeu 11 tributos e 17 coletâneas, além de gravar 53 compactos de 78 rotações entre 1947 e 1969, quando faleceu aos 51 anos, vítima de problemas cardíacos.

Veja mais

4 Sucessos de João Roberto Kelly

“Eu passo as minhas horas a brincar com palavras.
Brinco de carnaval.
Hoje amarrei no rosto das palavras minha máscara.
Faço o que posso.” Manoel de Barros

João Roberto Kelly é autor de marchinhas de sucesso

Gravado por Elis Regina, Elza Soares, Cauby Peixoto, Ademilde Fonseca, Angela Maria, Emílio Santiago, Dalva de Oliveira e Agnaldo Timóteo (numa rara parceria com o poeta J. G. de Araújo Jorge), ele se orgulha, principalmente, de “ser cantado pelo povo”. Prestes a completar 80 anos no próximo dia 24 de junho, o geminiano João Roberto Kelly segue compondo marchinhas. Autor de sucessos carnavalescos do porte de “Cabeleira do Zezé”, “Mulata Bossa Nova”, “Maria Sapatão” e “Joga a Chave, Meu Amor”, Kelly colocou na praça sua mais recente criação através da internet, com um vídeo postado no YouTube onde, acompanhado por outros foliões, destila sua verve irônica. “Alô Alô Gilmar” faz troça de Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Veja mais

6 marchinhas (quase) mineiras para o Carnaval

“Exaltação – Império Sentido na Avenida – Carnaval da síncope. Pratos limpos atirados para o ar. Circo instantâneo, pano rápido mas exato descendo sobre a sua cabeleira de um só golpe de carícia, e o teu espanto!” Ana Cristina Cesar

marchinha sobre temer e silvio santos

Nos últimos anos, além dos bares, BH tornou-se também a capital do Carnaval. Com uma programação ampla e diversificada a cidade passou a receber os tão tradicionais e antigos blocos carnavalescos que, fora remeter à memória, trouxeram suas próprias inovações com misturas inusitadas e, acima de tudo, festeiras. Vale fantasia, vale confete e serpentina, principalmente, vale alegria! Com esse intento selecionamos 6 marchinhas mineiras para você pular durante os 4 dias de farra e folia, cada uma delas distintas entre si, para privilegiar, como marca do carnaval de Belo Horizonte, justamente a diversidade. São elas uma marcha-rancho, uma marchinha entre o romance e a ironia, uma marcha em homenagem ao Carnaval e três marchinhas políticas, ambas com aquela já habitual pegada de humor. Vamos à festa foliar!

Veja mais

5 marchinhas compostas por mulheres

“Ó Abre alas/ Que eu quero passar
Eu sou da Lira/ Não posso negar
Rosa de Ouro/ É quem vai ganhar” Chiquinha Gonzaga

As compositoras, cantoras e instrumentistas têm mostrado a cara e mudado o panorama do Carnaval na cidade de Belo Horizonte, cujo aumento da visibilidade para canções compostas por mulheres é latente. Um exemplo prático é a presença de 15 autoras inscritas no Concurso de Marchinhas Mestre Jonas 2018. Apesar do recorde, o número ainda é inferior em relação ao de homens.

Mas é uma mulher a autora da primeira música carnavalesca de sucesso da nossa história: Chiquinha Gonzaga. Composta em 1899, a marcha-rancho “Ó Abre Alas” estourou no Carnaval de 1901 e é definida pelo Dicionário Cravo Albin da Música Brasileira como “pioneirismo da produção carnavalesca, antecipando-se em 20 anos à fixação do gênero”. A publicação ainda afirma que a música seguiu como a preferida dos foliões por nove anos seguidos, até as festividades de 1910.

Veja mais

Entrevista: Aos 70 anos, músico Tavito revê sua trajetória

“Eu quero a esperança de óculos
E meu filho de cuca legal
Eu quero plantar e colher com a mão
A pimenta e o sal” Tavito & Zé Rodrix

Tavito compôs "Casa no Campo" com Zé Rodrix

Aos 13 anos de idade, Luís Otávio Carvalho ganhou o seu primeiro violão. Conhecido desde a infância como Tavito, o compositor aprendeu o ofício de maneira autodidata, participando de festas e serenatas na capital mineira. Autor de clássicos como “Casa no Campo” (com Zé Rodrix) e “Rua Ramalhete” (com Ney Azambuja), ele partilhou da convivência com nomes fundamentais do Clube da Esquina, como Milton Nascimento, Toninho Horta e Nelson Angelo. Nascido em Belo Horizonte, o músico destaca os momentos mais especiais de suas sete décadas de história.

Veja mais