Os 5 videoclipes brasileiros mais visualizados

“À glória sucede/o que sucede à água:
por mais água que beba,/qual lhe sacia a sede?
Diverso o sucesso,/basta-lhe um verso
para essa desgraça/que se chama dar certo.” Paulo Leminski

Anitta vai lançar um clipe a cada mês

Após um relativo hiato vivido entre a era de ouro da MTV – nas décadas de 80 e 90 era o único canal cuja programação se resumia a transmitir vídeos musicais 24 horas por dia – e o boom das plataformas digitais, o videoclipe retomou seu protagonismo. A argumentação ganha força quando se constata que os artistas mais populares do país nos últimos anos lançaram mais videoclipes do que álbuns. Os principais gêneros a apostar no formato são o funk e o sertanejo universitário. Anitta, por exemplo, contabiliza quatro discos e 31 vídeos. Em janeiro, a sertaneja Marília Mendonça lançou três clipes de uma só tacada, enquanto a dupla Simone & Simaria mantém o posto de clipe brasileiro mais visto na história do YouTube, feito alcançado no primeiro mês de 2017.

Veja mais

10 músicas brasileiras para crianças

“Ai que prazer
Não cumprir um dever,
Ter um livro para ler
E não o fazer!
(…) Grande é a poesia, a bondade e as danças…
Mas o melhor do mundo são as crianças” Fernando Pessoa

Música brasileira feita para criança

“A infância é a camada fértil da vida”, definiu o poeta mato-grossense Nicolas Behr. Seu conterrâneo, Manoel de Barros preferiu o lado da brincadeira (nada mais apropriado, não é?) para tecer uma louvação parecida: “As Nações já tinham casa, máquina de fazer pano, de fazer enxada, fuzil etc./ Foi uma criançada mexeu na tampa do vento/Isso que destelhou as Nações”. A mesma irresponsabilidade infantil ganhou ode em versos de Fernando Pessoa: “Ai que prazer/Não cumprir um dever,/Ter um livro para ler/E não o fazer!/ (…) Grande é a poesia, a bondade e as danças…/Mas o melhor do mundo são as crianças”. Através da música, compositores brasileiros habituados ao universo “adulto” também se permitiram voltar aos primeiros anos, como Sidney Miller que, ao fim da canção “O Circo” (“Vai, vai, vai, começar a brincadeira/Tem charanga tocando a noite inteira/Vem, vem, vem, ver o circo de verdade”) de 1967, concluiu com saudade: “Foi-se embora e eu ainda era criança…”.

Veja mais

12 videoclipes que já fizeram história

“A imagem inteligente é uma das formas que o cinema tem de ser profundo.” Luis Fernando Veríssimo

Videoclipes históricos no Brasil e no mundo

Aquele do Michael Jackson virando zumbi, do Freddie Mercury com roupas femininas ou, ainda, o do Raul Seixas cercado por relógios são exemplos de casos onde as músicas podem ser mais lembradas pelas imagens do que pelos sons. “Thriller”, “I Want to Break Free” e “Tente Outra Vez” continuam sendo belas canções, mas fica difícil avaliar se o impacto seria o mesmo se não fosse pelos videoclipes.

Veja mais

Mago Hermeto Pascoal inventa mundo sonoro

“Para fazer uma campina
Basta um trevo e uma abelha
Um trevo, uma abelha
E fantasia.
Ou apenas fantasia,
Na falta de abelhas.” Emily Dickinson

Hermeto Pascoal lança No Mundo dos Sons

De todas as artes, a música é a que menos almeja captar a realidade. Sendo assim, sua natureza é essencialmente abstrata. O “mago” Hermeto Pascoal, 81, é mestre em embaralhar os significados prensados pelo dicionário, como se fossem as letrinhas de uma sopa em fogo alto, onde a condição audível mais preocupada em representar, casos da sonoplastia e da onomatopeia, se misturam a cartas que querem apenas “soar como sílabas”, diria Caetano Veloso.

O bardo baiano, que homenageou Hermeto em duas ocasiões, ao cunhar a expressão “hermetismos pascoais” (na música “Podres Poderes”, 1984) e com “O Estrangeiro”, de 1989 (nos versos “o albino Hermeto não enxerga mesmo muito bem”), não é um dos contemplados no disco lançado neste mês de agosto pelo “bruxo”, descrito pelo trompetista Miles Davis (1926-1991) como “gênio”. Entende-se, afinal, num dos “arranca-rabos” mais conhecidos da música mundial, Hermeto chamou Caetano de “musiquinho” quando este elegeu a música norte-americana como a mais importante do século XX em detrimento da brasileira.

Veja mais

DNA musical: 14 filhos de músicos famosos

“Pois me beijaram a boca e me tornei poeta
Mas tão habituado com o adverso
Eu temo se um dia me machuca o verso
E o meu medo maior é o espelho se quebrar” João Nogueira e Paulo César Pinheiro

Filhos de músicos famosos gravam discos autorais

Caymmi, Gil, Veloso, Baby, Moraes, Nogueira, Bosco e Buarque podem ludibriar, numa primeira vista, quem liga o nome à pessoa ou adquire o livro pela capa. Se a sentença seguinte afirmar que os sobrenomes pertencem a Alice, Bem, Moreno, Pedro, Davi, Diogo, Julia e Clara, ninguém terá sido enganado. Herdeiros de artistas famosos, os citados pertencem a uma geração que, cada vez mais, não só opta por seguir os passos profissionais dos pais como, em alguns casos, têm se lançado em empreitadas capitaneadas pelo nome mais famoso do clã.

Veja mais